Fontes dizem ter ?certeza? de que franco-atirador foi preso

Uma das mais fantásticas caçadas humanas da história americana culminou hoje com a prisão de um veterano do Exército e de um adolescente que dormiam numa beira de estrada. Embora não haja acusações formais contra John Allen Muhammad, de 41 anos, e John Lee Malvo, de 17, fontes da polícia disseram à Associated Press ter certeza de que são estes os culpados pela onda de terror que varre a região de Washington há três semanas, com os ataques de um franco-atirador misterioso.Uma dessas fontes, falando sob condição de anonimidade, disse que a arma encontrada no carro dos suspeitos parece utilizar balas de calibre .223 - o cartão de visitas do franco-atirador, que já causou dez mortes na região da capital americana.Os suspeitos, ao que parece, tropeçaram na própria arrogância: as autoridades informaram que receberam um telefonema de alguém assumindo responsabilidade pelos ataques e por algo que teria ocorrido em ?Montgomery?. Evidências colhidas após um assalto a uma loja de bebidas, em 21 de setembro, na cidade de Montgomery, Alabama, levou a polícia a Malvo e Muhammad. No assalto, um funcionário da loja foi morto e outro, ferido.Segundo o jornal The Seattle Times, Muhammad é um veterano da Guerra do Golfo que se converteu ao islamismo. Malvo, descrito por alguns serviços noticiosos como enteado do militar, é cidadão jamaicano. O Times cita fontes federais para afirmar que ambos são conhecidos por falar com simpatia dos seqüestradores que atacaram o World Trade Center e o Pentágono. Mas não há nenhum sinal, dizem as autoridades, de que eles estejam ligados à Al-Qaeda ou a outra organização terrorista.Os dois foram presos às 3h19 da madrugada (hora local), sem incidentes, numa parada de descanso para motoristas no Condado de Frederick, 80 quilômetros a noroeste de Washington. Três horas antes, o chefe de polícia do Condado de Montgomery, chefe de polícia Charles Moose, anunciara que Muhammad e Malvo eram procurados, e emitira um alerta nacional por um Chevrolet Caprice azul, modelo 1990, com placas de New Jersey. Um motorista e um atendente viram o carro e chamaram a polícia.Treze pessoas foram baleadas nos ataques do franco-atirador. Três sobreviveram, entre elas um menino de 13 anos, atingido quando chegava à escola. O atirador deixou bilhetes declarando-se ?Deus?, e avisando que nenhuma criança estaria segura, ?em nenhum lugar, em nenhuma hora?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.