Força aérea de Kadafi está destruída, diz comandante militar britânico

De acordo com vice-marechal do ar da RAF, aviões aliados podem voar impunemente pela Líbia

estadão.com.br

23 de março de 2011 | 12h48

Um comandante militar britânico na Líbia disse nesta quarta-feira, 23, que a força aérea do ditador Muamar Kadafi foi destruída e que "ela não existe mais como uma força de combate".

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna
especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográficos:  Guerra civil em quatro atos  e A revolta que abalou o Oriente Médio
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

De acordo com o vice-marechal do ar, Greg Bagwell, a coalizão à frente da ofensiva na Líbia agora vigia de perto as forças terrestres de Kadafi. Bagwell afirmou ainda que atualmente é possível à coalizão que aplica a resolução do Conselho de Segurança da ONU voar "impunemente" pelo espaço aéreo líbio.

 

A declaração do comandante britânico foi feita em visita a uma base aérea em Gioia del Colle, no sul da Itália, onde estão os caças da Real Força Aérea Britânica (RAF, na sigla em inglês). "Estamos zelando pelas pessoas inocentes da Líbia e garantindo que sejam protegidas de ataques", afirmou Bagwell. "As forças terrestres líbias estão sob observação constante e as atacamos sempre que elas ameaçam civis ou atacam aglomerados de civis".

 

A coalizão cumpre a resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas para implementar uma zona de exclusão aérea na Líbia. Para funcionar, a medida prevê a eliminação da defesa antiaérea e do poder de fogo dos aviões de Kadafi.

 

No momento, líderes das potências ocidentais debatem quem estará à frente de fato da intervenção na Líbia. Os Estados Unidos têm coordenado a ação, seguidos por França e Reino Unido. Os três países discutem passar a liderança da ofensiva à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

 

A coalizão formada por EUA, França, Reino Unido, Itália, Canadá, Qatar, Noruega, Bélgica, Dinamarca, Romênia, Holanda e Espanha deu início no sábado a uma intervenção militar na Líbia, sob mandado da resolução 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Nesta terça, Washington, Londres e Paris concordaram que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) deve desempenhar um papel na incursão.

 

A resolução da ONU prevê a criação de uma zona de exclusão aérea na Líbia e a tomada de "quaisquer medidas necessárias" para impedir o massacre de civis pelas tropas de Kadafi, que está no poder há 41 anos e enfrenta um revolta há mais de um mês. Desde o início da ação internacional, os insurgentes ganharam força.

Com BBC e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.