U.S. Air Force photo by Senior Airman Ian Dudley
U.S. Air Force photo by Senior Airman Ian Dudley

Força Aérea dos EUA testa míssil balístico intercontinental

Segundo porta-voz do Comando de Ataque Global da Força Aérea, ação foi um teste de rotina e não envolvia demonstração de força

O Estado de S.Paulo

03 Maio 2017 | 10h49

WASHINGTON - A Força Aérea dos EUA lançou na madrugada desta quarta-feira, 3, um míssil balístico intercontinental desarmado de reforços da Califórnia ao Oceano Pacífico, informou o departamento.

O porta-voz do Comando de Ataque Global da Força Aérea, Joe Thomas, disse que se tratava de um teste de rotina e não envolvia uma demonstração de força em um momento de tensão com a Coreia do Norte por seu programa nuclear e de mísseis balísticos.

O míssil Minuteman III foi lançado da Base Vandenberg da Força Aérea na Califórnia às 7h02 locais (4h02 em Brasília) desta quarta-feira, informou o Comando de Ataque em um comunicado. Ele viajou cerca de 6,7 mil quilômetros sobre o Oceano Pacífico e caiu perto de um atol que faz parte das Ilhas Marshall utilizado como um local de teste de mísseis americanos.

O Minuteman III, que pode ser equipado com uma ogiva nuclear, é testado cerca de quatro vezes por ano, disse Linda Frost, outra porta-voz do Comando de Ataque.

Fotos do lançamento feitas pela Força Aérea mostram chamas brilhantes no momento do lançamento, e depois uma pálida e fina marca laranja no céu noturno enquanto o míssil se arqueava sobre o oceano.

"Estes lançamentos de teste verificam a precisão e a confiabilidade do sistema de armamento ICBM (mísseis balísticos intercontinentais), proporcionando dados valiosos para garantir uma contínua dissuasão nuclear segura, confiável e eficaz", disse o Comando em seu comunicado.

"O programa de lançamento de teste do ICBM demonstra a capacidade operacional do Minuteman III e assegura a capacidade dos EUA de manterem uma dissuasão nuclear forte e aceitável como elemento-chave da segurança nacional e da segurança de seus aliados e parceiros" acrescentou. / AFP

Veja abaixo: EUA criticam teste fracassado de míssil norte-coreano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.