Força da guerrilha iraquiana supera estimativas dos EUA

A rebelião iraquiana é muito maior do que os 5.000 homens que, acreditava-se, compunham seu núcleo principal, reconhecem militares dos EUA, e é liderada por muçulmanos sunitas inconformados com a perda de poder que se seguiu à derrubada de Saddam Hussein. Embora especialistas discordem quanto ao número exato, supõe-se agora que grupos regionais, liderados por xeques e instigados por líderes religiosos possam lançar mão de voluntários ocasionais e elevar a força de resistência a 20.000 homens. O número reflete a constatação de que a rebelião segue forte mesmo depois de mais de 4.000 insurgentes terem sido mortos, apenas em abril.A imagem que as informações mais recentes traçam da insurgência contrasta com a visão mais difundida pelo governo Bush, de que a rebelião é alimentada por estrangeiros que querem criar um Estado islâmico. ?Não estamos na linha de frente de uma guerra santa aqui?, disse um militar americano em Bagdá, pedindo que seu ome não fosse revelado.Esse militar e outros disseram à Associated Press que a guerrilha tem forte apoio popular entre iraquianos nacionalistas irritados com a presença de tropas estrangeiras no país.

Agencia Estado,

08 de julho de 2004 | 17h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.