Força de Kadafi usa míssil Scud contra rebeldes

Para especialistas, o uso do armamento indica ''desespero'' do ditador líbio; rebeldes temem que o regime lance ataques com armas químicas

, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2011 | 00h00

TRÍPOLI

As forças leais ao ditador líbio, Muamar Kadafi, dispararam um míssil Scud contra os rebeldes que tentam depor o regime, na região de Brega e Ajdabiya, cidades em poder dos insurgentes no leste da Líbia. Especialistas afirmam que o uso desta arma é um sinal de desespero. Segundo as agências de notícias, entretanto, a informação de que os rebeldes isolaram a capital, Trípoli, não se confirmou ontem.

Tanto as forças de Kadafi quanto o Conselho Nacional de Transição (CNT), formado pelos rebeldes, afirmavam ter o controle de Zawiya, que, se for conquistada pelos insurgentes, bloqueará a principal via de abastecimento da capital. No domingo, o CNT afirmou ter obtido o controle de Zawiya, mas o Exército de Kadafi montou uma contraofensiva com atiradores de elite e foguetes Grad, de fabricação russa, contra a cidade.

Os rebeldes também afirmam ter conquistado Garyan, no sul, por onde passa outra importante estrada para Trípoli. O acesso aéreo e marítimo à capital já está impedido pela zona de exclusão imposta pela ONU. "As forças de Kadafi estão enfraquecidas. Os dias de Kadafi estão contados", afirmou o secretário de Defesa americano, Leon Panetta.

Um alto funcionário do governo dos EUA afirmou que o Scud (mais informações nesta página) foi lançado da cidade de Sirte pelas forças do ditador, na manhã do domingo, e explodiu no deserto entre Brega e Ajdabiya, sem deixar mortos ou feridos. "Isso é um sinal óbvio de que o regime está contra a parede", afirmou o especialista em segurança Shashank Joshi. "Os soldados de Kadafi estão usando suas últimas armas. Ele (o ditador) é louco. Temos medo de que ele recorra a armas químicas. Não conseguimos deter os Scuds, mas esperamos que a Otan consiga", declarou Mohammad Zawawi em nome dos rebeldes. A aliança disse temer que os mísseis de Kadafi atinjam a população civil, mas acrescentou que os Scuds não representam uma ameaça militar.

Ainda ontem, os rebeldes negaram estar negociando o fim da guerra com Kadafi. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.