Força de paz entra em Monróvia; Taylor descumpre promessa

A longamente esperada força de paz oeste-africana entrou nesta quinta-feira em Monróvia, a capital liberiana cercada por rebeldes à espera da renúncia do presidente Charles Taylor.Mas o mandatário, acusado pela ONU por crimes de guerra, voltou atrás em sua promessa de comparecer hoje perante o Congresso em uma sessão que aprovaria seu pedido de renúncia, embora seu porta-voz tenha asssegurado que ele deixará o governo na segunda-feira, como havia prometido.Sob intensa pressão internacional em meio ao sangrento cerco à capital, última etapa de três anos de guerra civil para tentar derrubá-lo, Taylor havia prometido entregar o poder na segunda-feira e eventualmente ir para a Nigéria.Um grupo de legisladores reunidos do lado de fora da sede do Congresso, cuja fachada está marcada por buracos de balas, disse ainda estar à espera de receber e discutir uma carta a ser enviada por Taylor notificando oficialmente os parlamentares sobre sua intenção de deixar o governo e a escolha de seu substituto. Taylor disse que sua escolha está entre o vice-presidente Moses Blah e o porta-voz do Congresso, Nyundueh Monkomana - números 2 e 3, respectivamente, na linha sucessória. Ao mesmo tempo, vindos de sua base no aeroporto de Monróvia, cerca de 500 soldados nigerianos - primeiro contingente da força de paz destinada a fazer cumprir um cessar-fogo entre rebeldes e o governo - entravam na cidade arruinada pela guerra em veículos blindados, caminhões e utilitários. Ao passarem pelas ruas, as tropas distribuíam beijos e acenavam com lenços brancos para milhares de liberianos que se juntavam nas calçadas saudando os visitantes e cantando em coro ?não queremos mais guerra, queremos a paz?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.