Força de Paz no Haiti recebe reforço de 350 soldados

A Força de Paz que governa o Haiti vai receber um reforço de 350 homens, afirmou a ONU nesta terça-feira. O efetivo será reforçado na tentativa de conter a situação de colapso entre gangues armadas que disputam por espaço na capital do país.Os soldados nepaleses que reforçarão a tropa comandada pelo brasileiro, major general Carlos Alberto dos Santos Cruz, começam a chegar no Haiti ainda esta semana. De acordo com um comunicado da Organização das Nações Unidas, a missão suplementar deve durar pelo menos até março.Atualmente, 9 mil homens da Força de Paz estão sob o comando do major general brasileiro e devem ampliar ainda mais a vigilância em torno de Cite Soleil, uma área periférica de favelas, dominada por gangues no subúrbio de Porto Príncipe."Estou determinado a aumentar a pressão sobre as gangues que têm dominado a região mais pobre onde as pessoas inocentes do Haiti moram, disse Santos Cruz said em um comunicado distribuído nesta terça. "Não podemos dar tempo para que as gangues relaxem", continuou.Há dois anos e meio, quando foi instalada a força de paz em julho de 2004, o Haiti vivia situação de profunda instabilidade, liderada pelo ex-presidente Jean-Bertrand Aristide, o primeiro democraticamente eleito na história do país.Um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), assinado pelo ex-secretário-geral , Kofi Annan, recomendou a extensão da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) por mais 12 meses. De acordo com o relatório, divulgado no início de janeiro, o trabalho no Haiti apenas começou, e o ?envolvimento continuo da missão? com o governo haitiano será requisitado cada vez mais. O relatório também diz que a missão tem colaborado com o governo haitiano para o fortalecimento das instituições do Estado e da Justiça.Annan também disse em seu relatório que, para a missão ser bem sucedida, será necessária a estreita colaboração das autoridades haitianas com a Minustah. "Peço que as lideranças haitianas continuem a trabalhar com os membros da missão para reforçar a estreita parceria que tem sido a chave para o progresso do país", afirma o relatório.O mandato da Minustah vai até o dia 15 de fevereiro e para que ele seja estendido por mais 12 meses é preciso a aprovação do Conselho de Segurança da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.