Força do Haiyan faz Sandy e Katrina parecerem brisas

O que pode ser o tufão mais feroz da história, o Haiyan chocou-se contra as Filipinas na manhã de sexta-feira com ventos tão fortes que fizeram a supertempestade Sandy, que castigou os EUA há um ano, parecer fraca. Até mesmo o furacão Katrina, a medida atual da força desastrosa da natureza sobre os EUA, empalidece quando comparado à esperada devastação do tufão Haiyan.

CENÁRIO: Michael Muskal / LA Times, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2013 | 02h01

De acordo com o último relatório, Haiyan estava com ventos superiores a 200 km/h, quando se deteve sobre a ilha. O Centro Conjunto de Alerta de Tufões da Marinha dos EUA afirmou que os ventos máximos da tempestade de categoria 5 foram de 195 km/h com rajadas de até 235 km/h. No seu centro, atingiu 275 km/h.

Em comparação, a supertempestade Sandy registrou ventos de 115 km/h e cerca de 95 km/h quando atingiu a costa de Nova Jersey há um ano. Katrina, a pior tempestade da temporada de 2005, foi tão perigosa quanto uma de categoria 5, o topo da classificação, com ventos de 175 km/h. Mas quando atingiu a terra, sua força caiu para a categoria 3, com ventos inferiores a 129 km/h.

Sandy ficou famoso por seu tamanho, que danificou 24 Estados, incluindo a costa leste dos EUA. Pelo menos 286 pessoas morreram em sete países - 160 vítimas eram dos EUA, onde ocorreu a destruição esmagadora de propriedades, US$ 65 bilhões dos US$ 68 bilhões do total de danos. Por definição, o valor da propriedade numa nação altamente desenvolvida vale mais do que em países em desenvolvimento. E Sandy rasgou algumas das propriedades mais caras do país - na área metropolitana de Nova York e seus subúrbios.

Reparar os danos em países desenvolvidos também é mais fácil. A ajuda de emergência pode ser transportada ao longo de boas estradas e os custos com limpezas e consertos são mais facilmente suportados por uma sociedade rica do que por uma pobre.

Tanto Sandy quanto Katrina - e provavelmente Haiyan - vão provar a diferença entre o poder de uma tempestade e seu impacto.

O que fez Katrina tão mortal foi a pressão que causou no sistema de diques que falhou em New Orleans. A inundação e a cena de pessoas presas nos telhados numa cidade inteira debaixo d'água tornaram-se imagens inesquecíveis e provocaram comparações da forma como as tempestades afetam países em desenvolvimento.

Mais de 1.800 pessoas morreram por causa do Katrina. O custo com os danos atingiu US$ 108 bilhões e os esforços para a recuperação ainda estão em curso. Sandy também garantiu seu lugar na história das grandes inundações. E o governo dos EUA já aprovou mais de US$ 60 bilhões para os esforços de recuperação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.