REUTERS/Stringer
REUTERS/Stringer

Forças afegãs iniciam operação para recuperar Kunduz

Estratégica cidade do Afeganistão está sob controle dos taleban desde ontem; região é crucial para as comunicações no norte do país

O Estado de S. Paulo

29 Setembro 2015 | 11h05

CABUL - As forças de segurança do Afeganistão iniciaram uma operação para recuperar a estratégica cidade de Kunduz, situada no norte do país e que está desde ontem sob controle dos taleban, onde agentes já começaram a recuperar alguns edifícios, informaram nesta terça-feira, 29, fontes oficiais.

"O contra-ataque começou nesta manhã e algumas partes da cidade já foram recuperadas", disse o vice-porta-voz do Ministério do Interior afegão, Najib Danish.

Os taleban entraram ontem em Kunduz e tomaram a cidade, que é crucial para as comunicações no norte do país, em sua conquista militar mais importante desde a queda de seu regime em 2001.

O porta-voz da polícia local, Sayd Sarwar Hussaini, relatou que o quarto distrito policial e outras áreas estão sob controle das forças de segurança, que são orientadas do posto de comando no aeroporto, localizado ao sul da cidade.

"Neste momento, as forças de segurança estão entrando no novo edifício das instalações da polícia de Kunduz e na prisão", afirmou Hussaini.

A operação começou de três pontos diferentes, segundo a fonte, que ainda relatou a chegada reforços para apoiar as unidades da cidade, onde a infantaria está recebendo cobertura aérea.

O Ministério da Defesa do Afeganistão assinalou em uma declaração que as tropas estão fazendo progressos no terreno e que, até o momento, encontram "frágil resistência".

Por outro lado, o porta-voz dos taleban, Zabihullah Mujahid, escreveu em sua conta oficial do Twitter que a situação em Kunduz é "normal". "O começo do contra-ataque inimigo não é certo, os mujahedins defenderão valentemente a cidade", escreveu Mujahid na rede social.

Um médico morador de Kunduz, que preferiu não ser identificado, disse que os taleban ainda estão patrulhando a cidade com veículos capturados das forças de segurança. "Ainda estou em casa e não me atrevo a sair. Não sei o que os taleban podem fazer conosco", contou.

Outro morador relatou que os helicópteros das tropas afegãs estão sobrevoando a cidade e que é possível ouvir disparos na região em que fica o aeroporto.

Presidente. O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, completa hoje um ano no poder com uma crescente situação de deterioração da segurança e desaceleração econômica, que coincide com a saída das tropas estrangeiras do país.

Ele garantiu que a situação em Kunduz está sob controle, embora continue a operação militar para recuperar a cidade. "Quero garantir a todos meus concidadãos que a situação em Kunduz está sob controle. As forças de segurança fizeram progressos. Alguns edifícios governamentais foram recuperados", disse Ghani em entrevista coletiva.

“Devemos continuar nossas vidas com tranquilidade e confiar nas forças de segurança", disse o presidente. Ghani indicou ainda que os taleban estão utilizando os civis como "escudos humanos" e que suas ordens são "prestar atenção às vidas dos civis", por isso o exército não pode bombardear a cidade.

A Otan mantém aproximadamente 4 mil militares no Afeganistão na missão de assistência e capacitação Apoio Decidido, enquanto os EUA realizam uma operação de combate e antiterrorista que inclui 9.800 militares. Eles permanecerão no país, em princípio, até final de ano.

Ataque aéreo. A Força Aérea americana lançou hoje um ataque aéreo sobre posições dos taleban na província afegã de Kunduz. "As tropas americanas lançaram um ataque aéreo para eliminar a ameaça contra a coalizão e as forças afegãs na área", indicou o porta-voz das tropas americanas no Afeganistão, coronel Brian Tribus.

Ele acrescentou que as tropas da Otan continuam em tarefas de treino e assistência à defesa nacional afegã e às forças de segurança de acordo com os termos da missão Apoio Decidido. /EFE

Mais conteúdo sobre:
AfeganistãoKunduzTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.