AFP
AFP

Forças americanas estão prontas para responder à Coreia do Norte, diz Trump

Após cancelamento de cúpula com Kim Jong-un, presidente americano reiterou capacidades nucleares dos EUA

O Estado de S.Paulo

24 Maio 2018 | 17h06

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, disse nesta quinta-feira, 24, que as forças armadas dos Estados Unidos estão "prontas se necessário" para responder a "atos tolos ou imprudentes" da Coreia do Norte. Ele também informou que está em contato com a Coreia do Sul e com o Japão, e que ambos os países estão dispostos a suportar o fardo financeiro de um suposto conflito.

Nesta quinta-feira, Trump cancelou a cúpula histórica com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un - prevista até então para o dia 12 de junho, em Cingapura -, justificando a decisão com a escalada na retórica do governo norte-coreano. Durante a madrugada, uma representante de Pyongyang chamou o vice-presidente americano, Mike Pence, de "manequim político" e disse que seu país está pronto para encontrar os EUA tanto na mesa de negociações como em um confronto nuclear.

+ Coreia do Norte destrói campo de testes nucleares com série de explosões

+ Coreia do Norte recebe imprensa estrangeira para desmantelamento de local de testes nucleares

Trump enviou uma carta a Kim para cancelar a cúpula. O documento, divulgado pela Casa Branca, afirma que um encontro entre os dois países neste momento seria "inapropriado". O presidente disse esperar que "coisas positivas" ocorram em relação ao futuro da Coreia do Norte, mas acrescentou que, caso necessário, os EUA estão "mais preparados do que nunca".

+ Trump pede que China mantenha forte controle na fronteira com Coreia do Norte

Na carta, Trump comparou as capacidades nucleares da Coreia do Norte e dos Estados Unidos. "Nossas [capacidades nucleares] são tão massivas e poderosas que eu rezo a Deus para que elas nunca tenham que ser usadas." Além disso, Trump disse que, caso Kim mude de ideia a respeito da reunião, não deve hesitar em telefonar ou escrever para ele. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.