Forças anglo-americanas atacam e lançam panfletos no Iraque

Forças aliadas despejaram milhares de panfletos sobre o sul do Iraque nesta quinta-feira, alertando aos soldados de Saddam Hussein que não disparem contra os caças de combates norte-americanos e britânicos que patrulham a zona de exclusão aérea imposta sobre aquela região. As forças iraquianas dispararam contra as aeronaves que lançaram os panfletos. Em resposta, as forças aliadas abriram fogo contra um suposto centro de operações militares, informaram oficiais do Comando Central dos Estados Unidos.Em Bagdá, fontes militares citadas pela agência estatal de notícias INA informaram que cinco civis iraquianos morreram e outros 11 ficaram feridos num bombardeio aéreo anglo-americano no sul do Iraque. "Aviões inimigos bombardearam instalações civis na cidade de Nassyriya, onde cinco civis morreram e outros 11 ficaram feridos", afirmou um porta-voz militar. Nassyriya situa-se 350 quilômetros ao sul da capital iraquiana.O lançamento dos panfletos foi o primeiro aviso direto do Pentágono aos militares iraquianos desde o início da campanha do presidente George W. Bush para derrubar o líder iraquiano. Sob condição de anonimato, oficiais do Departamento de Defesa disseram que a operação de alerta não está diretamente ligada a uma outra campanha, na qual o Pentágono planeja avisar aos oficiais iraquianos que não usem armas biológicas ou químicas caso os EUA iniciem uma ação militar para remover Saddam do poder.Zonas de exclusãoCom o ataque de hoje, já são 46 os "dias de ataque" reportados este ano pela coalizão formada por Estados Unidos e Grã-Bretanha para patrulhar zonas de exclusão aéreas no norte e no sul do Iraque, sob o pretexto de proteger minorias étnicas. As zonas foram originalmente criadas pela Organização das Nações Unidas após o término da Guerra do Golfo, travada em 1991. Anos mais tarde, EUA e Grã-Bretanha optaram por ampliá-las unilateralmente.Oficiais norte-americanos disseram que os aviões da coalizão norte-americana lançaram 120 mil panfletos, que mostram um caça atacando um radar com a mensagem "ADA (Artilharia de Defesa Aérea) iraquiana, cuidado! Não rastreiem nem disparem contra os aviões da coalizão! A destruição experimentada por seus colegas em outros pontos de defesa aérea é uma resposta à sua contínua agressão contra os aviões das forças de coalizão", diziam os panfletos, escritos em árabe, em referência aos ataques anglo-americanos."Não serão tolerados rastreamentos nem disparos contra essas aeronaves. Você pode ser o próximo", dizia uma tradução para o inglês divulgada por oficiais da defesa. Uma fonte insistiu que as ações de hoje não estão ligadas a uma possível guerra com o Iraque, ressaltando que isto é feito de tempos em tempos para alertar os iraquianos sobre o risco de atacar os aviões da coalizão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.