Forças anti-Khadafi voltam a invadir cidade natal de coronel

Tropas do CNT tentam novamente obter o controle de Sirte, a partir do leste; cidade é um dos poucos bastiões ainda leais ao antigo regime.

BBC Brasil, BBC

26 Setembro 2011 | 15h31

Forças de oposição a Muamar Khadafi lutam, nesta segunda-feira, pelo controle da cidade natal do coronel líbio, Sirte, um dos bastiões do antigo regime.

As tropas anti-Khadafi trocaram disparos de foguete com soldados leais ao regime e começaram a avançar, pelo leste, dos subúrbios rumo ao centro da cidade.

O avanço ocorre dois dias depois de as tropas do Conselho Nacional de Transição (CNT) - que já controla a maior parte da Líbia - terem atacado a partir do oeste de Sirte, mas recuado em seguida.

A cidade é um dos dois últimos redutos ainda em poder das forças de Khadafi no país.

O correspondente da BBC Alastair Leithead, que está em Sirte, relata que os civis, temendo ficar no meio do fogo cruzado, estão desesperadamente tentando escapar da cidade - alguns deles sequer sabiam que a capital, Trípoli, está sob o comando do CNT.

Sirte estava sob forte proteção de aliados de Khadafi nas últimas semanas. Grande parte do combate vinha sendo realizada à distância, com disparos de artilharia e ofensiva aérea promovida pela Otan (aliança militar ocidental), que tem apoiado as tropas anti-Khadafi.

Os soldados do regime continuam defendendo a cidade. Segundo Leithead, a duração do conflito será determinada por essa resistência. Caso os simpatizantes de Khadafi decidam lutar pelo controle de cada rua de Sirte, os combates podem se estender.

Quanto mais o conflito durar, mais perigoso será para os habitantes da cidade.

Bani Walid

Os combates continuam também em Bani Walid, outra cidade controlada por simpatizantes do antigo regime. Um comandante de oposição a Khadafi disse à agência France Presse que espera que a batalha final pelo controle do território aconteça nos próximos dois dias.

"Estamos enfrentando forte resistência, por isso usamos artilharia e não estamos enviando batalhões (para combate na cidade)", declarou o comandante Mohamed al-Seddiq à agência.

Ainda não se tem notícias do paradeiro de Khadafi, que governou a Líbia por mais de 40 anos. Diversos membros da família do coronel estão exilados no exterior.

Na semana passada, Aisha, filha de Khadafi que fugiu para a Argélia, disse a jornalistas que seu pai está em bom estado de ânimo e lutando ao lado de seus simpatizantes.

Um jornal argelino reportou nesta segunda-feira que Aisha estaria agora no Egito, informação que foi negada por autoridades egípcias.

Ao mesmo tempo, autoridades da ONU advertem para a necessidade de aumentar a segurança de carregamentos de armas estocados na Líbia.

Lynn Pascoe, principal autoridade política do organismo, disse ao Conselho de Segurança da ONU que é preciso manter controle sobre armamentos sofisticados, incluindo armas químicas - cuja destruição foi interrompida em fevereiro, quando inspetores internacionais abandonaram a Líbia.

Na semana passada, forças do CNT encontraram um estoque de yellow cake, uma forma de urânio em pó que pode ser usada para armas nucleares. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.