Forças Armadas cingalesas atacam guerrilha tâmil

As Forças Armadas do Sri Lanka iniciaram nesta sexta-feira ataques simultâneos por ar, terra e mar contra a guerrilhatâmil no norte da ilha, onde destruíram um canhão dos guerrilheiros, informou o porta-voz militar, general Prasad Samarasinghe.Os ataques tinham por objetivo destruir a arma transportada pelos rebeldes Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE) no distrito de Vavuniya, ao norte da ilha, supostamente para atacar navios da Marinha cingalesa."O LTTE havia colocado a arma sobre um caminhão e estava sepreparando para atacar os navios de nossa Marinha", disseSamarasinghe. Ele também afirmou que, após saber das pretensões dos rebeldes, "destruímos a arma, lançando um ataque coordenado das Forças Aéreas, do Exército e da Marinha".A Marinha do Sri Lanka afundou na sexta-feira um dos navios dos rebeldes durante um confronto no mar.O porta-voz militar, almirante D.P. Dissanayake, informou que o enfrentamento aconteceu por volta das 10h30 (1h30 em Brasília) no litoral do distrito de Mannar (no norte da ilha). Um grupo de navios da guerrilha teria tentado escapar quando um navio das forças governamentais se aproximou dele.Dissanayake afirmou que os rebeldes dispararam contra o navio oficial, que respondeu ao fogo e afundou uma das embarcações do LTTE.O porta-voz lembrou que, de acordo com o cessar-fogo assinado pelo Governo e o LTTE em fevereiro de 2002, a guerrilha não tem acesso ao mar. Samarasinghe disse que o ataque desta manhã pretendia atrair os navios da Marinha para a costa para que fossem atingidos pelo canhão dos rebeldes.Aumento da violência Enquanto isso, o grupo Exército Popular da península norte de Jaffna jurou aumentar os ataques contra forças do governo e advertiu civis para que restrinjam sua movimentação e evitem ficar perto de campos militares. Jaffna fica a 300 quilômetros ao norte da capital, Colombo no coração do território reivindicado pelos rebeldes tâmeis. Ainda nesta sexta-feira, um soldado foi morto enquanto patrulhava uma região e um policial morreu depois da explosão de uma mina, que também deixou feridos em Jaffna.Três policiais e três civis ficaram feridos em outra explosão de uma mina no norte da cidade de Vavuniya, informou o policial G.M. Dharmadasa.Os ataques desta sexta-feira foram os últimos de um ciclo de violência no Sri Lanka que aumentou nas últimas semanas, trazendo o medo de que o país mergulhe novamente em uma guerra civil. Mais de 300 pessoas morreram por causa da violência no Sri Lanka este ano. A manutenção da trégua assinada entre o Governo e o LTTE está em constante perigo, assim como a continuação do processo de paz. Os Tigres começaram a lutar em 1983 para criar um estado étnico para a minoria tâmil, acusando a maioria cingalesa de discriminação. Mais de 65 mil pessoas morreram no conflito antes da trégua.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.