Luis Enrique Saldaña/Arquivo/Efe
Luis Enrique Saldaña/Arquivo/Efe

Forças Armadas do Peru matam dois chefes do grupo Sendero Luminoso

Segundo o presidente Humala, os 'terroristas' mortos são conhecidos como Alipio e Gabriel

O Estado de S. Paulo,

12 de agosto de 2013 | 16h50

LIMA - Dois importantes chefes do movimento rebelde peruano Sendero Luminoso foram mortos em um combate com as Forças Armadas em uma região de selva do país, informou nesta segunda-feira, 12, o Comando Conjunto das Forças Armadas e o presidente peruano, Ollanta Humala.

Os dois homens mortos seriam "Alipio" e "Gabriel". O Sendero Luminoso atua na região de maior densidade de plantação de coca do mundo, o Vale dos Rios Apurímac, Enec e Mantaro (Vraem), no centro-sul peruano.

"Fontes de inteligência que participaram da ação confirmaram que os terroristas mortos eram o número 1 e o número 2 da estrutura militar do Sendero Luminoso", disse Humala à rádio local RPP. "São os terroristas Alejandro Borda Casafranca, conhecido como terrorista Alipio, e Marco Antonio Quispe Palomino, que sería o Gabriel."

Segundo um comunicado do Comando Conjunto, o enfrentamento entre rebeldes e os homens das forças de segurança ocorreu na noite de domingo, durante uma operação militar e policial no departamento de Ayacucho, a cerca de 575 km a leste de Lima.

Na ação, outro homem, que "seria o braço direito de Alipio" também foi morto. Exames devem confirmar a identidade dos três.

Este seria o golpe mais duro contra o remanescente do grupo desde que as Forças Armadas capturaram em 2012 o "camarada Artemio", líder da facção do Alto Huallaga do Sendero.

O Sendero Luminoso envolveu-se no tráfico de cocaína desde que os fundadores do movimento maoísta foram capturados durante uma guerra contra o Estado nas décadas de 1980 e 1990. Segundo dados oficiais, morreram cerca de 69 mil pessoas./ REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
Sendero LuminosoPeruOllanta Humala

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.