Forças Armadas têm a confiança dos egípcios

Especialista aponta que a atuação histórica e a decisão de não impedir as manifestações fizeram com que os militares conquistassem a população

Lourival Sant?Anna, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2011 | 00h00

Para olhos latino-americanos, uma junta militar tomando o poder e prometendo reconduzir um país à democracia soa como uma velha história com final infeliz. A confiança dos políticos e analistas egípcios nas boas intenções do Conselho Supremo das Forças Armadas - cujo chefe é o marechal Mohamed Hussein Tantawi, por muito tempo ministro da Defesa de Hosni Mubarak - chega a ser intrigante.

Especialistas ouvidos pelo Estado, porém, explicam que essa confiança é produto da história recente das Forças Armadas - reiterada pelo seu comportamento durante a "revolução" das últimas três semanas.

"A história das Forças Armadas no Egito é muito diferente do que na América Latina, onde elas são objeto de desconfiança por causa dos golpes seguidos de regimes militares", diz o cientista político Amr el-Shobaki, presidente do Fórum Árabe por Alternativas, no Cairo.

Segundo ele, embora os três últimos presidentes egípcios - Gamal Abdel Nasser, Anwar Sadat e Hosni Mubarak - tenham sido militares, seus governos não foram considerados ditaduras militares. Isso porque, durante todo esse período, as Forças Armadas têm passado por um processo de crescente despolitização e profissionalização.

"Até agora, Mubarak se interpunha entre o povo e o Exército", analisa El-Shobaki. "A revolução acabou com essa intermediação."

Ecoando uma visão bastante disseminada no Egito, que parece confirmada pela experiência das últimas semanas, o cientista político assegura: "É muito difícil o Exército se colocar contra o povo (no Egito)". Depois de uma semana de protestos, o comando das Forças Armadas divulgou um comunicado advertindo que não reprimiria o povo nas ruas, o que soou como uma sentença de morte do regime de Mubarak. "Tantawi não precisa ser substituído porque não disparou contra o povo. E os militares não têm inclinação para governar o país, até porque essa não será uma tarefa fácil. Não é atraente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.