Forças da ONU e polícia tentam conter violência no Haiti

Forças da ONU e policiais haitianos entraram numa favela que havia sido bloqueada por rebeldes leiais ao presidente deposto Jean-Bertrand Aristide no centro da capital, Porto Príncipe, agindo para deter uma ofensiva urbana apelidada de "Operação Bagdá". Ao amanhecer desta quarta-feira, um corpo decapitado jazia numa das ruas da favela de Las Salinas. Um cinegrafista da Associated Press viu um comboio de forças das Nações Unidas passar pelo cadáver. A missão da ONU no Haiti está sob o comando do Brasil.Três policiais foram decapitados semana passada, quando apoiadores de Aristide lançaram uma campanha de guerrilha inspirada nos seqüestros e decapitações do Iraque, a "Operação Bagdá". Pelo menos 19 mortes já foram atribuídas à onda de violência, que espalha o medo pela capital e ameaça paralisar os esforços para alimentar e abrigar os sobreviventes da trágica enchente de Gonaives.A polícia informa ter detido cerca de 500 pessoas para interrogatório na batida realizada na favela de Bel Air, mas não encontrou armas. Ontem, uma dezena de adolescentes e crianças de Bel Air carregou um homem para fora da favela, jogou-o ao chão, crivou-o de balas e tentou decapitar o cadáver, disse o repórter de rádio Ninger Napoleon, que testemunhou a cena.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.