Forças da ONU no Líbano estão defasadas, diz comandante

O comandante da Força Provisória das Nações Unidas para o Líbano (Unifil), o general francês Alain Pellegrini, considera que o contingente "não está mais adaptado às circunstâncias", com as hostilidades entre Israel e a milícia xiita Hezbollah.O militar lembrou nesta quinta-feira, em declarações à emissora France Info, que a força tinha como objetivo original manter a paz, e foi estabelecida "entre dois países (Israel e Líbano) que tinham decidido não se enfrentar mais"."As regras do jogo mudaram e voltou-se a um enfrentamento, por isso não existe mais um instrumento adaptado às circunstâncias", disse.Pellegrini lembrou que o mandato da ONU à missão para o Líbano proíbe o uso da força, exceto para a defesa própria ou de suas instalações.Instituída em 1978, a Unifil é integrada por cerca de 2.000 soldados e cinqüenta observadores militares, que cumprem sua missão nos quatro postos de observação existentes na "Linha Azul", criada pela ONU após a retirada israelense do sul do Líbano, em maio de 2000.O chefe militar não comentou a morte, na terça-feira passada, de quatro observadores de sua força durante um ataque israelense, em uma ação que, segundo o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, foi deliberado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.