Forças de Assad massacram vilarejo antes de chegada de missão árabe

Forças leais ao ditador sírio, Bashar Assad, cercaram um vilarejo perto da fronteira do país com a Turquia e mataram mais de 100 pessoas, elevando para mais de 250 o número de mortos em apenas dois dias de confrontos. O ataque, considerado um dos mais sangrentos em nove meses de protestos contra Assad, ocorreu na véspera da chegada de uma missão de observadores da Liga Árabe para monitorar a situação no país.

DAMASCO, O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2011 | 03h08

A ofensiva militar teve como alvo o vilarejo de Kfar Owaid, localizado no norte, a cerca de 50 quilômetros da fronteira do país com a Turquia, na região de Jabal al-Zawiyah, que tem sido cenário de choques entre militares e dissidentes há semanas. De acordo com moradores da região, os ataques das forças de segurança começaram no sábado.

"Foi um massacre organizado", disse Rami Abdul-Rahman, chefe do Observatório Sírio para Direitos Humanos. "Os militares cercaram as pessoas e depois as mataram."

O governo sírio não respondeu às acusações dos ativistas e é impossível confirmar a veracidade dos relatos, já que a atuação da imprensa internacional é limitada no país, onde, segundo estimativas da ONU, mais de 5 mil pessoas foram mortas desde março, quando tiveram início as manifestações pedindo democracia no país.

Na segunda-feira, Assad concordou em autorizar o envio de uma missão de observadores da Liga Árabe para monitorar a situação no país. Críticos do regime, porém, afirmaram que os ataques dos últimos dias têm como objetivo eliminar dissidentes antes da chegada do grupo da Liga.

O governo Assad rejeitou as acusações e disse que a oposição quer sabotar a missão. "Desde que a Síria assinou o protocolo, ela está empenhada em facilitar a missão da Liga Árabe para venha e veja a realidade da crise", afirmou Jihad Makdissi, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Síria. "Infelizmente, a oposição tenta, sem parar, sabotar o protocolo e procura uma intervenção estrangeira em vez de aceitar o diálogo."

Pedido. O Conselho Nacional Sírio (CNS), que reúne a maioria das correntes de oposição, pediu ontem a realização de reuniões urgentes com o Conselho de Segurança da ONU e com a Liga Árabe por causa das mortes ocorridas no norte do país. "À luz dos terríveis massacres cometidos pelo regime do presidente Bashar Assad contra civis desarmados, o CNS pede uma reunião de emergência com a Liga Árabe e o Conselho de Segurança", informou o grupo em comunicado. Os opositores pediram ao Conselho que as cidades atacadas sejam declaradas "zonas de segurança" para que se beneficiem de uma proteção internacional e para forçar a retirada das forças do regime. Ontem, o governo do presidente americano, Barack Obama, afirmou que Assad "não merece" governar a Síria e advertiu o país sobre a adoção de "novas medidas", caso a repressão contra a oposição persista. / AP, REUTERS e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.