Forças de Kadafi continuam avançando; aeroporto de Benghazi é bombardeado

Cidades de Misrata e Ajdabiya estão sob forte ataque das tropas líbias e se aproximam de rebeldes

estadão.com.br,

16 de março de 2011 | 05h01

As forças leais ao líder líbio Muamar Kadafi continuam avançando sobre os redutos rebeldes na Líbia, atacando nesta quarta-feira, 16, a cidade de Misrata, a leste da capital Trípoli, e Benghazi, a segunda cidade mais importante do país e principal base dos rebeldes.

 

Veja também:

som Território Eldorado: Ouça o relato de Andrei Netto

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio 

 

Segundo o coronel insurgente Faradj el Feyturi, que falou para a rede de televisão Al-Jazira, aviões das forças Kadafi bombardearam cidade de Benghazi no início da manhã desta quarta e tiveram como alvo o aeroporto da cidade.

 

Feyturi não detalhou se o ataque deixou vítimas ou danos materiais, mas assegurou que a resposta dos rebeldes foi contundente e que os aviões de Kadafi "empreenderam a fuga".

 

Em Misrata, quatro pessoas foram mortas durante a ofensiva das tropas do governo líbio. Segundo os rebeldes, as forças do ditador líbio atacaram com tanques e artilharia, além de bombardeios aéreos, que teriam começado por volta das 7h00 da manhã (horário local).

 

A cidade de estratégica de Ajdabiya, a 160 quilômetros de Benghazi, continua sob forte ataque das forças leais a Kadafi, onde também utilizam os bombardeios como forma de derrotar os rebeldes. A caída de Ajdabiya abriria caminho para as tropas do ditador líbio avançarem mais a leste, em Benghazi e Tobruk, onde estão concentrados os rebeldes.

 

Por sua parte, o ex-ministro do Interior líbio Abdel Fatah Yunis, que passou para o lado dos rebeldes nos primeiros dias da revolta, manifestou à cadeia Al Arabiya que as forças insurgentes ainda controlam Ajdabiya.

 

Segundo Yunis, os rebeldes causaram "severas perdas" às forças do regime de Trípoli, que na terça-feira lançaram uma intensa ofensiva sobre essa cidade.

 

O antigo chefe das forças especiais líbias relatou que os rebeldes atraíram as forças de Kadafi até o centro de Ajdabiya antes de produzir uma emboscada, e assegurou que capturaram sete tanques e destruíram outros três.

 

"Houve dezenas de mortos e feridos entre as forças de Kadafi. Nos encarregamos de seus feridos e os transferimos aos nossos hospitais, enquanto muitos outros escaparam rumo à cidade de Tobruk, onde se renderam aos revolucionários", acrescentou.

 

O coronel Khaled Essayeh, um dos porta-vozes militares rebeldes, confirmou esta versão à AlJazira e assegurou que o ataque das forças do regime foi repelido pelos rebeldes, que capturaram 120 de seus soldados.

 

O correspondente da cadeia catariana em Ajdabiya, por sua vez, assinalou que os bombardeios dos aviões de Kadafi sobre a cidade continuavam na manhã desta quarta-feira.

 

Em 48 horas

 

O filho de Kadafi, Saif al-Islam, disse que as forças de seu pai estão próximas da cidade de Benghazi e que "tudo estará terminado em 48 horas". Em uma entrevista à rede francesa Euronews, al-Islam respondeu, quando questionado sobre a zona de exclusão aéreo na Líbia, que "as operações militares acabaram. Em 48 horas, tudo estará terminado."

 

"Nossas forças estão próximas a Benghazi. Qualquer que seja a decisão, já será muito tarde", disse.

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Kadafi, Benghaz, terrorismo, Líbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.