Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Anja Niedringhaus/AP
Anja Niedringhaus/AP

Forças de Kadafi desrespeitam cessar-fogo e bombardeiam Benghazi

Apesar da resolução da ONU, ditador ordena violento ataque aos rebeldes; avião de combate é derrubado

estadão.com.br,

19 de março de 2011 | 04h54

O líder líbio Muamar Kadafi desrespeitou o cessar-fogo e ordenou um ataque violento a Benghazi neste sábado, 19, apesar da resolução da ONU. Os rebeldes foram atacados de forma intensa e de surpresa. A cidade foi bombardeada em vários pontos - pelo menos oito pessoas teriam morrido.

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

Um avião de combate (foto) foi derrubado pelos rebeldes durante os ataques e a ofensiva se desenvolveu por terra e por ar. As forças leais a Kadafi, inclusive, já entraram em alguns bairros da periferia do oeste de Benghazi.

Uma grande nuvem negra cobriu a cidade após os ataques. Agências internacionais relataram pelo menos quatro grandes explosões.

Um porta-voz de Kadafi desmentiu as informações da quebra do cessar-fogo e afirmou que foram os rebeldes que desrespeitaram o acordo. O ministro de Relações Exteriores pediu, em comunicado transmitido pela emissora Al Arabiya, que a ONU envie uma missão de observadores para verificar o cumprimento do cessar-fogo. O ditador alertou os países ocidentais que qualquer intervenção militar na Líbia é uma "clara agressão". "Isto é uma injustiça, isto é uma clara agressão", disse o porta-voz citando as palavras do líder líbio em uma carta dirigida à França, ao Reino Unido, aos Estados Unidos e à ONU. "Vocês irão se arrepender se derem um passo na intervenção em nossos assuntos internos."

Kadafi ainda ameaçou a ONU, afirmando que a resolução "é inaceitável, já que o Conselho de Segurança da ONU não tem mandato para intervir nos assuntos internos dos países".

Na França, a Secretária de Segurança dos Estados Unidos, Hillary Clinton, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, devem se reunir com o presidente do país, Nicolas Sarkozy, e o ministro de Relações Exteriores, Alain Juppé.

Neste sábado, acontecerá a cúpula de Paris com os principais participantes dos esforços diplomáticos. As grandes potências podem iniciar um ataque contra Kadafi depois da reunião, uma vez que o ditador líbio voltou a atacar os rebeldes.

O líder do rebelde Conselho Nacional da Líbia afirmou neste sábado que a comunidade internacional precisa agir rapidamente para proteger civis das forças de Muammar Gaddafi que estão bombardeando a cidade de Benghazi. 

"Agora há um bombardeio de artilharia e mísseis em todos distritos de Benghazi", disse Mustafa Abdel Jalil à rede de TV Al Jazeera. "A comunidade internacional está atrasada em intervir para salvar civis das forças de Gaddafi".

"Hoje em Benghazi haverá uma catástrofe se a comunidade internacional não colocar em prática as resoluções do Conselho de Segurança da ONU", acrescentou. "Apelamos à comunidade internacional, a todo o mundo livre, para impedir essa tirania de exterminar civis." (Com AP, Efe e Reuters)

Atualizado às 9h45 para acréscimo de informação

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaKadafiinternacionalONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.