Forças de segurança da Síria matam pelo menos 17 em Hama

Mais de 60 pessoas foram detidas na cidade após convocação de 'Dia de Fúria', diz grupo ativista

Agência Estado

12 Setembro 2011 | 17h19

NICÓSIA - Forças de segurança sírias mataram a tiros pelo menos 17 pessoas dentro e nas proximidades da cidade de Hama nesta segunda-feira, 12, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos, sediado em Londres.

 

Veja também:

linkONU: repressão matou ao menos 2,6 mil

linkSíria oferece cooperação nuclear, diz AIEA

especialESPECIAL: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

 

"O número de vítimas da operação realizada pelas forças de segurança e pelo Exército na região de Hama subiu para 17 mortos", disse o grupo à agência France Presse. Mais de 60 pessoas foram detidas, informou o observatório.

 

 

O ataque ocorreu depois de os ativistas convocarem um "Dia da Fúria" para terça-feira em protesto contra o apoio da Rússia ao presidente Bashar Assad, cujo regime impõe, há seis meses, uma sangrenta repressão contra os manifestantes.

 

O observatório também informou a morte de um menino de 12 anos em Douma, perto de Damasco, quando forças de segurança atiraram contra um funeral, e de um homem e seu filho, mortos na cidade de Al-Rastan, província central de Homs.

 

Investigações

 

A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou nesta segunda que o brasileiro Paulo Sergio Pinheiro foi escolhido para liderar um grupo que investigará supostos abusos de direitos humanos cometidos pelas tropas sírias desde o início da repressão às manifestações. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.