Forças de segurança encerram crise de reféns em Bagdá

Forças iraquianas invadiram hoje uma igreja onde homens armados haviam tomado reféns horas antes e encerraram a crise, disse um porta-voz do exército norte-americano. Os homens armados mantinham cerca de cem reféns, disse o tenente-coronel Eric Bloom, porta-voz do Exército dos Estados Unidos. Os números referentes a reféns e agressores são bastante conflitantes, mas uma fonte no governo local informou que sete reféns morreram e 20 ficaram feridos na ação das forças de segurança.

AE, Agência Estado

31 de outubro de 2010 | 17h38

A crise começou horas antes, quando dois seguranças da Bolsa de Valores de Bagdá foram mortos em um tiroteio ocorrido durante uma tentativa de invasão hoje do local. Na fuga, os agressores tomaram reféns na igreja próxima. "Quatro homens armados tentaram forçar a entrada na bolsa de valores. Um tiroteio teve início quando os seguranças tentaram contê-los. Dois guardas foram mortos", disse uma fonte no Ministério de Interior do Iraque.

De acordo com o funcionário, ao sair, os invasores detonaram uma bomba em um veículo estacionado nas proximidades da bolsa e quatro civis ficaram feridos. Depois, eles fugiram a pé na direção de uma igreja próxima.

No templo católico, os agressores tomaram reféns, mas os detalhes eram escassos. "O que sabemos é que alguns fiéis e dois padres são mantidos reféns na igreja pelos terroristas", disse Shlimoune Wardouni, bispo de Bagdá. "Eles exigem a libertação de terroristas presos no Iraque e no Egito", prosseguiu. A igreja foi então cercada pela polícia. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
terrorismosequestroIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.