Forças do Iêmen matam 34 membros da Al-Qaeda

As forças do Iêmen mataram 34 suspeitos membros do grupo Al-Qaeda, incluindo líderes do primeiro escalação, durante uma operação realizada em uma remota região montanhosa na província de Shabwa, segundo disseram as forças de segurança do país. "Um ataque surpresa foi feito durante um encontro de vários membros da Al-Qaeda em Wadi Rafadh", contou a fonte, referindo-se à região montanhosa, a cerca de 650 quilômetros a oeste da capital do Iêmen, Sana.

AE, Agencia Estado

24 de dezembro de 2009 | 10h46

O líder da organização terrorista na Península Árabe, Nasser al-Wahishi, e seu vice, Saeed al-Saudi Shahrani, estavam no encontro, mas a fonte não informou se eles foram mortos. Porém outras lideranças, como Saad al-Fathani e Mohammad Ahmed Saleh al-Omir, teriam perdido a vida na incursão. "Sauditas e iranianos que estavam na reunião em Wadi Rafadh também foram mortos", afirmou.

As forças do Iêmen organizaram o ataque surpresa com base em informações de cidadãos do país, que informaram o local do encontro, segundo disse uma fonte de segurança à agência de notícias Associated France Press (AFP). Uma autoridade do Iêmen afirmou que os presentes na reunião "planejavam um série de atentados contra instalações econômicas do Iêmen, em retaliação às ofensivas lançadas pelas forças do país na semana passada".

No dia 17 de dezembro, um ataque aéreo contra um campo de treinamento da Al-Qaeda na província de Abyan matou 34 membros do grupo, segundo o governo do Iêmen. No mesmo dia, quatro membros da organização terrorista foram mortos em Abhar. A ofensiva de hoje eleva para 68 o número de membros da Al-Qaeda mortos pelas forças do Iêmen. O jornal norte-americano New York Times informou que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ofereceu ajuda às forças do Iêmen para combater a Al-Qaeda. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenAl-Qaedaataquemortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.