Forças dos EUA celebram Natal e mantêm alerta em aeroporto de Kandahar

Fuzileiros navaisamericanos que montavam guarda em um aeroporto de Kandahar, nosul do Afeganistão, declararam nesta terça-feira estado de alerta,preparando-se para uma possível ameaça durante o Natal. Ao mesmo tempo, as tropas americanas comemoravam a datacom canções, atividades esportivas e uma ceia com peru enquantolembravam de suas famílias. O chefe do Comando Central americano visitou doisporta-aviões. Disse que os EUA estão "a caminho... de acabarcom o problema do terrorismo no mundo". As operações "se desenvolvem em muitos lugares paraeliminar estes bolsões de terrorismo", disse o general TommyFranks, acrescentando que a busca por Osama bin Laden nascavernas de Tora Bora contiuará "até que tenhamos a segurançade que se encontra lá, e morto". No aeroporto de Kandahar se informou à imprensa que osfuzileiros navais e outras forças estavam em alerta após teremrecebido informações sobre um possível aumento do perigo nazona. "Há uma série de fatores que nos levaram a declarareste estado de alerta mais amplo, e um deles é o das festas" defim de ano, disse o major Chris Hughes, porta-voz dos marines.Outro porta-voz militar na sede do Comando Central na Flórida,EUA, disse não estar informado sobre o estado de alerta noAfeganistão. Ao mesmo tempo, no leste do país, as forças anti-Talebandetiveram um comandante afegão por seus supostos vínculos comBin Laden, afirmou a agência afegã AIP, com sede no Paquistão.Awal Gul, que teve um papel crucial ao convencer os comandantestalebans a entregarem o governo da província de Nangarhar a umconselho de chefes tribais, foi detido no domingo. A agência disse que Gul havia ajudado a milícia Talebanquando suas forças invadiram Nangarhar em 1996, mas nãomencionou sua suposta cumplicidade com a Al-Qaeda. Gul comandavauma unidade militar em Jalalabad, capital de Nangarhar, nafronteira com o Paquistão. Mohamed Zaman, chefe de defesa em Nangarhar, confirmou adetenção de Gul, segundo a AIP. Não se sabia se o comandante foientregue às forças americanas, que têm sob sua custódia supostosmembros do Taleban e da rede Al-Qaeda. Por sua vez, o novo governo se dedicava a avaliar ascondições herdadas do regime taleban. "Esta é uma das maiores tarefas do novo governo. Amagnitude da tarefa é aterradora", disse o ministro da Educação Rassool Amin, durante uma visita à destruída sede de seuministério. "Começamos a partir do zero, de menos do quezero".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.