Forças dos EUA liberam 8 iranianos detidos na véspera no Iraque

As forças dos Estados Unidos anunciaramna quarta-feira que oito iranianos foram presos na noite deterça-feira em um hotel de Bagdá, mas foram libertados apósconsultas ao governo iraquiano. Uma mala cheia de dinheiroteria sido apreendida com eles. Yasin Majid, consultor de mídia do primeiro-ministroiraquiano Nuri Al Maliki, disse que os envolvidos eram membrosde uma delegação iraniana que está no Iraque a convite doMinistério da Eletricidade para discutir a construção de umanova usina elétrica. Em nota, os militares dos EUA disseram que seus soldadosabordaram quatro veículos e detiveram 15 pessoas --os iranianose seus guarda-costas iraquianos-- na noite de terça-feira. Otexto diz que foram apreendidos ainda um rifle AK-47 e duaspistolas pertencentes aos iraquianos. Após a abordagem, os iranianos foram autorizados a irempara seu hotel, o Sheraton Ishtar, no centro da cidade. Mas ossoldados os seguiram de perto e entraram em seus quartos. "Uma vez ali, as Forças da Coalizão confiscaram um laptop,celulares e uma mala cheia de dinheiro iraniano e dos EUA",disse a nota, acrescentando que os homens foram levados parainterrogatório em uma unidade militar norte-americana. "Os cidadãos iranianos tinham passaportes. Posteriormentedeterminou-se que dois dos indivíduos iranianos portavamcredenciais diplomáticas. Os cidadãos iranianos foram liberadosem consulta ao governo do Iraque", disse a nota. Um vídeo mostra os soldados dos EUA levando dez homens,algemados e vendados, para fora do hotel. O incidente pode agravar as tensões entre EUA e Irã,inimigos há quase 30 anos. Washington acusa Teerã de patrocinarmilícias xiitas no Iraque e de tentar desenvolver armasnucleares. A República Islâmica nega ambas as acusações. O embaixador iraniano em Bagdá disse à agência Irna, do seupaís, que os militares dos EUA entregaram a delegação às 7h (0hem Brasília) ao gabinete de Maliki. Ele afirmou que osfuncionários estão no Iraque para assinar um contrato na áreade eletricidade. Desde janeiro, as forças dos EUA mantêm sob custódia outroscinco iranianos acusados de dar apoio aos militantes. Os militares dizem que os cinco são agentes da Força Qodsda Guarda Revolucionária iraniana. Teerã insiste que sãodiplomatas e exige sua libertação. Generais dos EUA dizem que o Irã está tentando influenciaro debate sobre a guerra em Washington ao ampliar o apoio àsmilícias xiitas, na esperança de que isso pese num relatóriooficial a ser entregue ao Congresso, dentro de duas semanas,que pode determinar a retirada ou permanência das tropas deocupação. Apesar da tensão, diplomatas dos EUA e do Irã em Bagdámantêm reuniões inéditas para tentar melhorar a segurança doIraque. Nos encontros de maio e julho, o embaixadornorte-americano Ryan Crocker formalizou a suspeita de que o Irãajuda as milícias, e novamente ouviu desmentidos. (Reportagem adicional de Waleed Ibrahim em Bagdá e EdmundBlair em Teerã)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.