Forças dos EUA praticamente paradas a 100 km de Bagdá

Uma semana depois de invadirem o Iraque e iniciarem uma marcha acelerada na direção de Bagdá, os soldados americanos estão praticamente estacionados a pouco mais de 100 quilômetros da capital iraquiana. Ao mesmo tempo, os primeiros 18 cadáveres de militares mortos no Iraque chegavam aos EUA de forma discreta, longe das câmeras de TV.Os marines, ou fuzileiros navais, estão parados ao longo da estrada que liga Nasiriya a Bagdá. Alguns regimentos estão acampados há quatro dias em Nasiriya, num terreno inóspito, habitado apenas por insetos. O avanço entusiasmado, iniciado na semana anterior, se interrompeu quando começou uma tempestade de areia. Após depararem-se com a forte resistência iraquiana nas cidades do sul, as forças da coalizão refizeram seus planos e a esperança de travar uma guerra rápida se transformou em fumaça.O Comando Central do Exército americano, baseado no Catar, informou que quatro marines dos EUA foram declarados desaparecidos em combate nos arredores de Nasiriya. Na véspera, o comando havia informado o desaparecimento de outros 12 soldados americanos envolvidos em várias operações no sul e sudoeste do Iraque, desde segunda-feira. Não há informações sobre a identidade desses militares.Embora o subsecretário de Defesa dos EUA, Paul Wolfowitz, um dos maiores impulsionadores da guerra, tenha dito que "não houve mudanças" nos planos e o conflito se desenvolve conforme o previsto, o deslocamento das tropas pelo sudoeste do Iraque é muito mais lento do que se previa inicialmente. A opção agora parece ser a de consolidar posições nas cidades do sul e sudoeste antes de as colunas chegarem a Bagdá. Nesse intervalo, o reforço de 100 mil soldados para os combates de terra, que estão vindo de Forte Hood, no Texas, já deverá estar pronto para entrar em ação.A intensidade dos combates na rota do sul para Bagdá diminuiu e se restringia hoje praticamente a ataques com caças e helicópteros de combate contra posições ocupadas por bolsões de resistência iraquianos nas proximidades das cidades de Nasiriya e Diwaniya. Segundo fontes da coalizão, os milicianos que resistem à ofensiva têm recebido apoio da Guarda Republicana, a força mais bem treinada e equipada de Saddam Hussein.Na posição mais avançada ocupada pelas forças da coalizão, ao longo de uma estrada entre Najaf e Kerbala, foguetes americanos foram lançados contra supostas posições iraquianas.O Pentágono denunciou hoje os militares iraquianos, que estariam instalando lançadores de foguetes em telhados de hospitais e instalações civis, para que as tropas aliadas desistam de destruir essas armas. O Iraque anunciou hoje ter capturado "três espiões" que teriam ajudado a CIA, a agência de inteligência dos EUA, a obter informações para a invasão do país. Segundo a TV estatal, os três acusados são cidadãos iraquianos. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.