Forças internacionais são necessárias para estabilização do país

A ditadura de Muamar Kadafi pode ter terminado, mas os problemas da Líbia não acabaram. O país está devastado por seis meses de uma guerra civil que matou dezenas de milhares de pessoas. Especialistas calculam que levará tempo até que o setor petrolífero produza 500 mil barris diários e pelo menos três anos para retomar o nível de produção de 2010.

Max Boot, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2011 | 00h00

A tarefa de ressuscitar a economia depauperada da Líbia será mais difícil também por causa da perigosa situação na área da segurança. O risco de o país mergulhar no caos após a provável derrubada de seu ditador permanece. Há também a probabilidade de confrontos entre elementos rebeldes unidos pelo ódio a Kadafi.

Para evitar consequências tão terríveis, a Otan ou as Nações Unidas terão de prestar uma assistência econômica, uma assessoria especializada e, provavelmente, enviar tropas para o país. Será necessária uma força de estabilização externa para evitar que depósitos de armas, algumas delas químicas, caiam em mãos erradas. Nos Estados Unidos, não existe muita disposição para isso. Assim, europeus, africanos e árabes devem se responsabilizar pelas forças de manutenção da paz.

Algumas pessoas podem argumentar que uma força de estabilização internacional poderia repetir os erros cruciais cometidos na guerra do Iraque. Mas, inversamente, os cenários após os conflitos na Bósnia, Kosovo e Timor Leste foram mais positivos, porque em todos os três locais um número substancial de soldados foi mobilizado logo no início.

Nenhum desses países é um paraíso, mas são mais pacíficos do que o Iraque ou o Afeganistão e constituem um bom modelo. Se a Otan recusar-se a enviar uma força de paz e a ONU não agir, a Líbia pode se tornar um Estado falido. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É MEMBRO DO COUNCIL ON FOREIGN RELATIONS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.