AFP PHOTO / AHMAD AL-RUBAYE
AFP PHOTO / AHMAD AL-RUBAYE

Forças iraquianas matam 23 membros do EI após ataque-surpresa em Mossul

Ação do governo na noite de domingo foi resposta a contraofensiva reivindicada pelo grupo terrorista nos bairros de Tanak e Yarmuk; todas as casas foram revistadas e outros 16 jihadistas foram detidos

O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2017 | 11h54

MOSSUL, IRAQUE - As forças iraquianas revistavam minuciosamente, nesta segunda-feira, 26, dois bairros do oeste de Mossul tomados dos extremistas, após uma inesperada e letal contraofensiva reivindicada pelo grupo Estado Islâmico (EI) - informaram fontes oficiais.

Cometido na noite de domingo, o ataque espalhou pânico entre os moradores que haviam retornado para os bairros de Tanak e Yarmuk. Há várias semanas, os extremistas haviam sido expulsos pelas forças do governo dessas duas localidades.

Os agressores se infiltraram nessa zona controlada pelo Exército, misturando-se aos civis deslocados que voltaram para suas casas, indicou o general Abdelwahab al-Saadi, um dos comandantes das unidades antiterroristas (CTS).

"O grupo (de invasores) chegou junto com os deslocados e se instalou no bairro de Tanak. Depois, voltou a se juntar e lançou o ataque", explicou. Segundo o comandante das forças antiterroristas, 23 jihadistas foram mortos e outros 16 foram detidos. Um médico das CTS contou que o ataque deixou vários mortos no bairro.

Segundo o general Al-Saadi, as CTS "revistam Yarmuk casa a casa", já que dois dos grupos de combatentes do EI se entrincheiraram nesse bairro recuperado em abril.

Uma autoridade local que pediu para não ser identificada descreveu o ataque de domingo como uma tarefa de distração de "células adormecidas" do EI na parte oeste de Mossul. O objetivo seria aliviar a pressão sobre seus efetivos que ainda se encontram na Cidade Velha.

Em 18 de junho, as forças iraquianas lançaram uma ofensiva violenta e arriscada para reconquistar a Cidade Velha de Mossul, uma zona densamente populosa e de ruas estreitas, onde resistem os últimos focos extremistas.

A batalha para recuperar Mossul começou em 17 de outubro passado. No fim de janeiro, as forças do governo haviam conseguido recuperar a parte leste dessa cidade do norte do país. Reduto iraquiano do EI, ela é dividida em dois pelo rio Tigre.

Em 19 de janeiro, lançam uma ofensiva no lado ocidental, retomando vários bairros da parte antiga. As forças iraquianas contam com o apoio da coalizão internacional anti-EI liderada por Washington. Mais de 800 mil pessoas foram deslocadas em função dos combates. / AFP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEEstado IslâmicoTigre

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.