Forças iraquianas matam dezenas de militantes da Al-Qaeda

Forças de segurança iraquianas mataram dezenas de militantes da Al-Qaeda que invadiram na quarta-feira um vilarejo na Província de Anbar, no oeste do país, segundo informaram policiais nesta quinta-feira, 1.Líderes tribais sunitas estão envolvidos numa disputa de poder com a Al-Qaeda, também sunita, pelo controle de Anbar, uma vasta província desértica que concentra a insurgência árabe no Iraque. Abdul Karim Khalaf, porta-voz do Ministério do Interior, disse que entre os cerca de 80 militantes mortos e 50 capturados nos combates em Amiriyat al Falluja, há árabes estrangeiros e afegãos. Um policial da região, Ahmed al-Falluji, apontou que 70 militantes e três policiais morreram. Um representante do Exército norte-americano da cidade de Falluja, perto dali, disse que as tropas dos EUA não estiveram envolvidas na batalha. "Como há muitos mortos, não temos como dar um número exato", disse uma fonte policial à Reuters. Testemunhas disseram que dezenas de integrantes da Al-Qaeda atacaram o vilarejo, obrigando os moradores a fugir e a pedir a ajuda das forças iraquianas, que então enviaram policiais e soldados. A disputa de poder dentro da comunidade sunita na Província de Anbar acontece num momento em que as tropas dos EUA e do Iraque concentram seus esforços em Bagdá para acabar com a violência entre xiitas e sunitas, que pode levar o país a uma guerra civil. Mas já há previsto para Anbar o reforço de 4.000 soldados norte-americanos, que podem acabar no meio dos grupos rivais. As Forças Armadas dos EUA vêm incentivando a aliança de tribos sunitas contra a Al-Qaeda na Província, que é o local do Iraque onde mais norte-americanos morreram na guerra. Conflitos anteriores Um caminhão-bomba explodiu no sábado perto de uma mesquita sunita em Ramadi, capital de Anbar, e matou 52 pessoas, um dia depois de o imã da mesquita ter criticado a Al-Qaeda. Os EUA dizem que não conseguirão derrotar a facção em Anbar sem a ajuda dos líderes tribais, que são contra o plano militante de criar um califado islâmico. As tribos e a Al-Qaeda já se enfrentaram em várias cidades ao longo do vale do Eufrates, desde Falluja, a oeste de Bagdá, até a fronteira com a Síria. Em outro episódio de violência na região, um carro-bomba matou cinco pessoas e feriu dez em Falluja na quinta-feira. O alvo era um comboio de carros com convidados do casamento de um policial. O número de civis iraquianos mortos em fevereiro foi o menor em quatro meses, segundo números oficiais. Mas o total chegou a 1.645 civis mortos, bem mais do que os 545 registrados em fevereiro de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.