AP
AP

Forças iraquianas retomam bairros de Mossul e líder do EI pede que combatentes não se rendam

Abu Bakr al-Baghdadi pediu que população ‘não enfraqueça na jihad’ contra os ‘inimigos de Deus’, e convocou os jihadistas a ‘causarem estragos’ e ‘fazerem seu sangue escorrer como rios’

O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2016 | 13h33

BAGDÁ - As forças do Iraque tomaram nesta quinta-feira, 3, o controle dos bairros de Kukyeli e Qudis, no leste de Mossul, e se encontram agora perto do distrito de Karama, onde cessaram os confrontos com jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI).

O porta-voz das forças antiterroristas iraquianas, Sabah Numan, disse que, neste momento, o Exército está retirando os explosivos na região de Kukyeli, de onde já foram removidos 70 artefatos.

Após desativarem os explosivos deixados pelo EI em Kukyeli, as forças iraquianas continuarão com a mesma operação em Qudis, enquanto se reorganizam para atacar Karama, acrescentou a fonte.

Diante desse cenário, o líder do Estado Islâmico conclamou seus seguidores a lutarem até a morte no que disse ser uma guerra contra o Islã xiita, "cruzados" ocidentais e países sunitas "apóstatas" como Turquia e Arábia Saudita.

Expressando confiança na vitória, Abu Bakr al-Baghdadi pediu aos jihadistas que "causem estragos” e os exortou a atacarem a Turquia e a Arábia Saudita, potências muçulmanas sunitas regionais que afirmou terem entrado na guerra contra o EI.

"Essa batalha feroz e essa guerra total, e a grande jihad que o Estado do Islã está realizando, só aumentam nossa crença firme, se Deus quiser, e nossa convicção de que tudo isso é um prelúdio da vitória", disse Baghdadi em uma gravação de áudio divulgada por apoiadores do grupo jihadista na internet.

Tropas regulares e forças especiais do Iraque, milícias xiitas, combatentes curdos peshmerga e outros grupos apoiados por ataques aéreos liderados pelos EUA iniciaram há duas semanas uma campanha para recapturar Mossul do controle do EI.

Em sua primeira mensagem de áudio em quase um ano, Baghdadi pediu à população da Província de Nínive, onde Mosul se situa, que "não enfraqueça na jihad" contra os "inimigos de Deus". Ele também conclamou os combatentes suicidas do grupo a "transformarem as noites dos descrentes em dias, a causarem estragos em sua terra e fazerem seu sangue escorrer como rios". Dirigindo-se àqueles que podem cogitar fugir, ele disse: "Saibam que o valor de ficar em sua terra com honra é mil vezes melhor do que o preço de recuar envergonhado".

A localização exata de Baghdadi, um iraquiano cujo nome verdadeiro é Ibrahim al-Samarrai, não está clara. Há relatos de que ele pode estar em Mossul ou em terras ocupadas pelo EI a oeste da cidade, perto da fronteira com a Síria.

Não foi possível verificar de imediato a autenticidade da gravação de 31 minutos, mas a voz e o estilo lembram muito os discursos anteriores de Baghdadi. A gravação pareceu recente, já que se concentra na ofensiva contra Mossul, embora o líder não a tenha mencionado pelo nome. / REUTERS e EFE

Veja abaixo: Obama alerta para batalha 'difícil' em Mossul

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.