Forças iraquianas tentam retomar vilarejos

Forças de segurança do Iraque lançaram uma forte ofensiva para retomar dois vilarejos que estão sob controle do Estado Islâmico nas províncias de Salahudin e Diyala, informou a agência estatal de notícias da China, Xinhua, citando fontes militares.

AE, Estadão Conteúdo

30 de agosto de 2014 | 15h29

Em Salahudin, as forças de segurança, apoiadas por milhares de militantes xiitas, avançam em direção ao vilarejo de Amerli, disse o tenente-general Abdul Amir al-Zaiydi. Os combates tiveram início ontem e, até agora, cerca de 30 militantes do Estado Islâmico foram mortos, segundo Zaiydi.

"Em questão de horas ou, no máximo, um ou dois dias, devemos romper o cerco a Amerli e abrir estradas seguras para levar ajuda aos moradores, que estão lutando para proteger a sua cidade, apesar da escassez de comida e água há mais de dois meses", disse.

Cerca de 4 mil combatentes do grupo xiita chamado Organização Badr estão participando da ofensiva, disse em comunicado Karim al-Nouri, um porta-voz da organização, que é ligada ao clérigo xiita Ammar al-Hakim. Além deles, milhares de outros combatentes xiitas estão lutando para libertar Amerli, segundo a Xinhua.

A província de Salahudin é predominantemente sunita e sua capital, Tikrit, que fica cerca de 170 quilômetros ao norte de Bagdá, é a cidade natal do ex-presidente Saddam Hussein.

Na província de Diyala, no leste do país, as forças de segurança, apoiadas por milicianos xiitas e aeronaves, lançaram outra ofensiva e conseguiram libertar a área de Injanah.

A situação no Iraque começou a se deteriorar drasticamente em 10 de junho, com confrontos sangrentos entre as forças de segurança iraquianas e centenas de militantes sunitas, que tomaram o controle da cidade de Mosul, no norte do país. Mais tarde, os militantes expandiram a área sob seu controle, após as tropas iraquianas terem abandonado seus postos em províncias predominantemente sunitas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEESTADO ISLÂMICO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.