Forças israelenses avançam em direção ao centro de Gaza

Tanques e soldados israelense entraram na madrugada desta quarta-feira (horário local) na região central da Faixa de Gaza, ampliando a ofensiva do Exército no território, lançada depois que grupos palestinos capturaram o soldado israelense Gilad Shalit no último dia 25. As tropas, aparentemente, estão se movimentando na direção da cidade central de Khan Younis, informaram fontes palestinas. Moradores disseram que os soldados estavam revistando casas na cidade de Deir el-Balah. Depois do dia 25, os militares já haviam entrado em áreas no sul e no norte. Nos ataques aéreos desta terça-feira, um militante palestino foi morto. O fazendeiro palestino Abdel Asmeri disse ter visto os soldados avançando depois da meia noite em sua vila, perto da cidade de Khan Younis. Autoridades das forças de segurança palestina negaram a informação e disseram que os soldados israelense ainda estão perto da fronteira de Gaza e que não se aproximaram de áreas povoadas. O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, e seu ministro da Defesa, Amir Peretz, decidiram ordenar novas incursões em Gaza depois que o líder do Hamas, Khaled Mashaal, disse na segunda-feira que não iria libertar o soldado israelense capturado. Mashaal exigiu a entrega de prisioneiros palestinos em troca do soldado, o que foi negado por Olmert.A invasão, a maior incursão israelense em Gaza desde a retirada de suas tropas no ano passado, já deixou um rastro de destruição, interrompeu grande parte do fluxo de energia elétrica em gaza e deixou mais de 50 palestinos mortos. Apenas um soldado israelense morreu na ofensiva.Ajuda européia A decisão de intensificar a operação acontece ao mesmo tempo em que a Comissão Européia iniciou o fornecimento de combustível destinado ao funcionamento de hospitais na Faixa de Gaza.A ajuda, estimada em 600 mil euros por mês, é a primeira ação realizada pela União Européia depois da aprovação do mecanismo que prevê ajudas sem que os recursos sejam administrados pelo governo palestino sob o comando do Hamas. NegociaçõesEmbora mediadores egípcios continuem tentando um acordo pelo qual a ala militar do Hamas soltaria o soldado em troca da libertação de presos palestinos por Israel, os líderes dos dois lados não dão sinais de que isso vá acontecer. Em Gaza, o premier palestino, Ismail Haniye, disse que Gaza está "à beira de uma crise humanitária". "Há escassez de comida, combustível e bens de primeira necessidade", disse ele ao seu gabinete, pedindo que as Nações Unidas, a Liga Árabe, países muçulmanos e a comunidade internacional ajudem.Nesta terça-feira, num artigo no Washington Post, Haniye (que é um líder no Hamas), repetiu uma proposta de cessar-fogo. Israel diz que primeiro os militantes precisam soltar o soldado e parar de lançar foguetes contra o país.O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, viajou para a Jordânia na terça-feira para discutir meios de resolver o conflito. O pai do soldado Shalit, Noam, pediu também nesta terça-feira que o Hamas permita que a Cruz Vermelha Internacional examine seu filho, citando a Convenção de Genebra, que estabelece normas para o tratamento de prisioneiros de guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.