Forças israelenses matam jovem palestino em protesto na Cisjordânia

Porta-voz do Exército diz que Orwah Hammad, de 14 anos, estava prestes a atirar um coquetel Molotov nos soldados quando foi atingido

O Estado de S. Paulo

24 de outubro de 2014 | 16h05

RAMALLAH, CISJORDÂNIA - Um jovem palestino foi morto a tiros durante confrontos nesta sexta-feira, 24, entre forças israelenses e manifestantes que atiravam pedras nos soldados na Cisjordânia, segundo médicos e residentes. Outros 12 palestinos foram feridos, de acordo com funcionários de um hospital.

Orwah Hammad, de 14 anos, foi morto com um tiro na cabeça no vilarejo de Silwad, ao norte da sede da Autoridade Palestina, em Rammalah.Um parente disse que o menino teria nascido nos Estados Unidos.  

Um porta-voz do Exército de Israel disse à agência Reuters que as forças de segurança "conseguiram evitar um ataque quando viram um homem palestino se preparando para atirar um coquetel Molotov na direção dos soldados na rua principal de Silwad. Eles abriram fogo e confirmaram que atingiram o alvo". O Exército disse que investigará o ocorrido.

Houve outros confrontos em áreas predominantemente árabes dentro e fora de Jerusalém nas quais várias pessoas foram feridas sem gravidade.

As tensões aumentaram com o feriado judaico de Sucot, que trouxe aumento de visitas de judeus acompanhados por policiais israelenses ao local sagrado de Jerusalém conhecido por eles como Monte do Templo e pelos muçulmanos como Santuário Nobre, com seu complexo da mesquita Al-Aqsa.

Os palestinos temem as visitas, em razão da mudança de dezenas de colonos israelenses para residências em um distrito habitado predominantemente por árabes perto do complexo sagrado com o objetivo de destacar e aprofundar a reivindicação da cidade como sua capital eterna e indivisível.

Os palestinos querem Jerusalém Oriental, que foi capturada por Israel em uma guerra em 1967 e anexada em uma ação não reconhecida internacionalmente, como capital de um futuro Estado. / AP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosCisjordâniaprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.