Muzaffar Salman/AP
Muzaffar Salman/AP

Forças sírias matam quatro em ataque a universidade

Cerca de 1,5 mil alunos se manifestavam contra governo quando houve invasão

AE, Agência Estado

03 de maio de 2012 | 10h25

BEIRUTE - Forças de segurança sírias invadiram uma universidade no noroeste do país para abafar protestos contra o governo, mataram quatro estudantes e feriram outros, nesta quinta-feira, 3, segundo ativistas e grupos de oposição.

Veja também:

linkSíria cometeu crimes de guerra antes da trégua imposta pela ONU, diz ONG

tabela ESPECIAL: Primavera Árabe

Cerca de 1,5 mil alunos realizavam uma manifestação nas dependências da Universidade Aleppo quando houve a invasão, seguida por um ataque de estudantes favoráveis ao regime do presidente Bashar Assad e armados com facas, de acordo com o relato de ativistas.

Segundo o estudante ativista Thaer al-Ahmed, os colegas entraram em pânico e tentaram fugir em meio à invasão.

"Alguns alunos correram para seus quartos para se proteger, mas foram seguidos, espancados e depois detidos", relatou Al-Ahmed. "Outros sofreram cortes e fraturas durante a fuga."

A população de Aleppo, a maior cidade e centro econômico da Síria, é amplamente favorável ao governo e tem, de modo geral, sido poupada da violência que assola outras cidades no país. Os universitários, no entanto, têm feito protestos quase diários pela queda de Assad.

A universidade já havia sido invadida antes, mas não com a violência deste último episódio, contou um estudante de direito.

As forças do governo e os dissidentes continuam se enfrentando em várias partes da Síria apesar de um frágil acordo de cessar-fogo negociado pela ONU, em vigor desde 12 de abril, e da presença de observadores da entidade. O levante popular contra o regime de Assad teve início em março do ano passado.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.