Forças ucranianas retomam controle de aeroportos na Crimeia, diz agência

Governo da Crimeia diz não ter intenção de se tornar independente da Ucrânia

O Estado de S. Paulo,

28 de fevereiro de 2014 | 10h00

KIEV - As forças de segurança da Ucrânia afirmaram nesta sexta-feira, 28, terem recuperado o controle dos dois aeroportos na Crimeia que tinham sido ocupados por homens armados. O ministro do Interior ucraniano responsabilizou forças russas pela ocupação, mas Moscou nega.

"Houve uma tentativa de ocuparem os aeroportos de Simferopol e Sevastopol, mas agora eles voltam a estar sob controle das forças de segurança ucranianas", afirmou o diretor do Conselho Nacional de Segurança e Defesa, Andrii Parubii, segundo a agência AFP.

Um porta-voz do governo local disse à agência Efe que o aeroporto de Simferopol funciona normalmente. "O aeroporto recebe aviões com normalidade. Em suas instalações se encontram soldados do Ministério do Interior e patrulhas populares, que se encarregam de garantir a ordem pública e a segurança do local."

Separação. O governo da república autônoma da Crimeia declarou que não possui a pretensão de se tornar independente da Ucrânia, embora o Parlamento local tenha convocado um referendo na quinta-feira 27 para ampliar a autonomia da região ucraniana de maioria étnica russa.

"Não buscamos a independência. Simplesmente, queremos que a Crimeia seja uma autêntica república autônoma no marco da Ucrânia, não como agora quando as faculdades não se exercem", disse o porta-voz.

De acordo com a fonte, a decisão de convocar um plebiscito para o próximo dia 25 de maio é irrevogável, já que as autoridades da região possuem intenção de ampliar a autonomia da península banhada pelo Mar Negro. "Apoia o senhor a autodeterminação da Crimeia no seio da Ucrânia sobre a base dos acordos e tratados internacionais?", diz a pergunta que será apresentada através da consulta popular.

O porta-voz do governo da Crimeia reconheceu que a polícia e as patrulhas populares estabeleceram pontos de controle em várias zonas da península, incluindo na estrada que liga a região com o resto da Ucrânia. "Os pontos de controle são para evitar a entrada de grupos extremistas como o Setor de Direita. O restante das pessoas pode entrar livremente na Crimeia."

As novas autoridades da Ucrânia pediram nesta sexta-feira uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU para analisar a situação na península da Crimeia. O documento, que foi lido pelo chefe do Parlamento e presidente interino, Aleksandr Turchinov, destaca que a situação na Crimeia "pode representar uma ameaça para a paz e segurança internacional"./EFE

 
Mais conteúdo sobre:
ucrâniaCrimeiaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.