Ford terá funeral com honras máximas nos Estados Unidos

O ex-presidente dos Estados Unidos Gerald Ford, que morreu nesta terça-feira aos 93 anos, receberá um funeral de Estado no Capitólio do Congresso a partir desta sexta-feira.Gregory Willard, representante da família do ex-governante, assinalou em comunicado que os atos fúnebres começarão na Califórnia, na sexta-feira, e se estenderão até a próxima quarta-feira, quando seu corpo será sepultado na encosta de uma colina, junto a seu museu presidencial em Grand Rapids, no estado de Michigan.Willard indicou que a cerimônia fúnebre será iniciada com uma missa particular celebrada na igreja de Saint Margaret, em Palm Desert, na Califórnia.O corpo de Ford, que assumiu a Presidência após a renúncia de Richard Nixon em função do escândalo de Watergate, será trasladado no sábado a Washington e seu caixão ficará exposto na cúpula do Capitólio, sede do legislativo dos EUA.Apenas dez presidentes foram velados na cúpula do Capitólio, o que mostra o respeito dos americanos pelo homem que é considerado por muitos como o "salvador" dos Estados Unidos, após a renúncia de Richard Nixon.O velório público acontecerá até a terça-feira, dia 2 de janeiro. Willard informou também que o corpo de Ford ficará exposto na entrada principal da Câmara de Representantes e, em seguida, na do Senado, o que indica uma mudança na tradição vinculada às mortes dos presidentes nos EUA.O porta-voz manifestou que essa mudança tem como objetivo ressaltar a boa lembrança que o ex-presidente tinha sobre seu longo histórico de atividades em ambas as ramificações do Congresso americano.Após a morte de Ford, o presidente George W. Bush ordenou que as bandeiras fossem hasteadas a meio mastro em todos os edifícios governamentais dos EUA, assim como em todas as legações e dependências americanas no exterior.Em mensagem à nação, pronunciada e televisionada a partir de seu rancho de Crawford (Texas), Bush afirmou que Ford foi um "homem de honra que ganhou o respeito de todos aqueles que trabalharam junto a ele".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.