Formação do novo governo iraquiano enfrenta obstáculos

O presidente interino do Iraque, Jalal Talabani, advertiu hoje que as negociações para a formação de um novo Governo chegaram a um "ponto morto", após a Aliança Unida Iraquiana (AUI) se negar a incluir no novo Executivo a Lista Nacional Iraquiana, do ex-primeiro-ministro Iyad Allawi. "As consultas para formar um novo Governo foram interrompidas depois que a AUI (xiita confessional) se negou a incluir a Lista Nacional Iraquiana no novo Governo", afirmou hoje Talabani em entrevista coletiva conjunta com o embaixador dos EUA no Iraque, Zalmay Jalilzad.A AUI, vencedora nas eleições parlamentares, elegeu o primeiro-ministro em fim de mandato, Ibrahim al-Jaafari, como seu candidato para liderar o novo Governo. Al-Jaafari superou seu único adversário, o vice-presidente Adel Abdel Mahdi, por um voto.Segundo os resultados definitivos das eleições legislativas, a AUI conseguiu 128 das 275 cadeiras da Câmara. Em segundo lugar nas eleições ficou o partido liderado por Jalal Talabani, a Aliança Curda (AK), com 53 cadeiras, seguido da Frente do Consenso Iraquiano (sunita), com 44 cadeiras. Em quarto lugar vem a Lista Nacional Iraquiana, liderada pelo xiita laico Iyad Allawi, com 25 cadeiras no Parlamento.Segundo fontes da AUI, que reúne 17 partidos xiitas, a aliança considera a participação do bloco de Allawi no novo Governo como um "limite" que não pode ser ultrapassado. "Se eles (a AUI) consideram a participação da Lista Nacional Iraquiana como um limite, então nós, a Aliança Curda, consideramos sua não participação no Governo como um limite para nós", ressaltou Talabani.O embaixador americano pediu aos partidos que ganharam as eleições para chegarem a um acordo sobre a formação do novo Executivo, e pediu a Al-Jaafari que escolha os membros do novo gabinete segundo suas "qualificações e a experiência". No entanto, o embaixador americano não quis se referir aos obstáculos surgidos para a formação do novo Governo, que poderiam significar o atraso do anúncio do novo gabinete.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.