Forte terremoto atinge nordeste do Japão e mata 3

Tremor de 7 graus deixa ainda cerca de 100 pessoas feridas; circulação de trens é interrompida

Reuters,

13 de junho de 2008 | 21h58

Um terremoto de 7,2 graus na escala Richter atingiu a região nordeste do Japão no sábado (sexta-feira, 13, no Brasil), sacudindo prédios e forçando as autoridades a fechar viadutos, cortar a eletrecidade e interromper a circulação dos trens de alta velocidade. Pelo menos 3 pessoas morreram e e cerca de 100 ficaram feridas.   A Agência Nacional de Meteorologia confirmou que o número de mortos chegou a três, embora o Governo japonês só tenha confirmado até o momento dois falecimentos. Além disso, cinco pessoas estão desaparecidas, segundo a rede de televisão "NHK".   Um dos mortos foi atropelado por um caminhão enquanto corria em pânico para fora de um prédio, acrescentou Machimura.    O tremor aconteceu por volta das 8h44 no horário local. O epicentro foi entre as cidade rurais de Iwate e Miyagi, a cerca de 300 quilômetros do norte de Tóquio, com 10 quilômetros de profundidade. Um tsunami foi descartado, informou a TV japonesa NHK.    Segundo a televisão local, crianças e professores de uma creche ficaram feridos. As autoridades japonesas disseram que as duas usinas nucleares na região não foram atingidas e continuam a operar normalmente.   O primeiro-ministro do Japão, Yasuo Fukuda, ordenou a formação de um grupo de emergência poucos minutos depois do terremoto.As Forças de Autodefesa do Japão enviaram uma missão com mais de 150 homens para começar a operar imediatamente na zona afetada pelo terremoto.   Após o abalo, a agência meteorológica do Japão alertou para um segundo terremoto, e um outro tremor menor de 5,6 graus atingiu a mesma região. Não há informações imediatas de danos deste abalo. Atualmente, o país testa um sistema de alerta anti terremoto.   O tremor deste sábado é o mais forte a atingir o Japão desde o ocorrido em agosto de 2005, que também teve magnitude de 7,2 graus na escala aberta de Richter.     Atualizado às 5 horas para acréscimo de informação

Mais conteúdo sobre:
Japãoterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.