Felipe Trueba / EFE
Felipe Trueba / EFE

Fortes chuvas inundam deserto e deixam mortos no Chile

Fenômeno incomum levou à suspensão dos trabalhos de mineração na região norte do país

O Estado de S. Paulo

26 Março 2015 | 10h22

COPIAPÓ, CHILE -  Inundações causadas por chuvas incomumente fortes bloquearam estradas, provocaram apagões e ameaçam várias comunidades na região do deserto do Atacama na madrugada. Ao menos sete pessoas morreram e outras 19 estão desaparecidas.

O governo declarou estado de exceção na região na quarta-feira, 25, o que significa que o controle da área passa para a Forças Armadas, que devem assegurar a ordem pública. A presidente Michelle Bachelet sobrevoou as áreas inundadas na tarde de quarta-feira.

Tempestades e chuvas torrenciais que tiveram início na terça-feira, 24, causaram o transbordamento do rio Copiapó e levaram à retirada da população de algumas áreas por causa do temor de deslizamentos. As águas chegaram até o hospital de Copiapó, segundo mostram imagens de televisão.

Helicópteros tiveram de retirar pessoas que moram nas proximidades da margem do rio porque as estradas estavam bloqueadas. Algumas pessoas se negaram a abandonar suas casas.

A mineradora estatal Codelco informou que suas operações na área foram suspensas temporariamente, em razão do bloqueio das vias que levam a algumas minas, mas seus depósitos, o que inclui a maior mina aberta de cobre do mundo, não foram afetados.

O ministro do Interior Rodrigo Penailillo disse que o estado de exceção foi declarado para facilitar a liberação dos recursos necessários para resgatar as pessoas afetadas pelas inundações. / AP

Mais conteúdo sobre:
Chile Atacama inundações deserto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.