Alto Comissariado para a Paz da Colômbia
Alto Comissariado para a Paz da Colômbia

Fortuna das Farc trava paz colombiana

Procuradoria colombiana alerta que a lista de bens apresentada pelo grupo não contém todas as posses obtidas nos 50 anos de conflito

Fernanda Simas, Enviada Especial a Bogotá e Jamil Chade, Correspondente em Genebra , O Estado de S.Paulo

17 Setembro 2017 | 05h00

Desde o início das negociações de paz entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), os negociadores deixaram claro que o centro do acordo seriam as vítimas do conflito e a reparação a elas. Para essa compensação, será usado o patrimônio conquistado pelas Farc ao longo de 50 anos na clandestinidade. A discussão sobre o que a guerrilha declarou ter e a reinserção econômica dos ex-combatentes causa reclamações dos dois lados e trava a aplicação dos pactos. 

Enrique Santiago, advogado e um dos principais negociadores do grupo no processo de paz, alerta que o maior problema é a lentidão do governo em dar uma resposta social e econômica aos ex-guerrilheiros, o que os torna alvos de grupos criminosos que oferecem uma renda dez vezes maior. “Há a economia dos contrabandos e as ofertas de grupos criminosos chegam a 6 milhões de pesos, contra a ajuda do Estado de 600 mil pesos”, explicou ao Estado

O governo colombiano afirma que está desenvolvendo programas de especializações onde os mais de 6 mil ex-integrantes de guerrilha ficaram concentrados para o processo de desarmamento e reincorporação à vida civil. Um desses programas por exemplo seria um treinamento para que os antigos combatentes possam trabalhar em empresas de segurança privada.

 

Santiago contesta e diz que é preciso ocorrer uma reforma rural e a prometida distribuição de terras. “Nenhum hectare de terra foi colocado até agora à disposição dos antigos guerrilheiros. E 90% deles são agricultores. Eles não querem ser reincorporados nas zonas urbanas. Não adianta entregar um táxi a eles. O governo diz que não estava previsto entregar terras. Verdade. O acordo diz que vão dar 10 milhões de hectares a agricultores sem terra. Agora, quem são os agricultores sem terra?”.

O advogado alega que a falta de projetos produtivos, chave para garantir a reincorporação econômica dos ex-guerrilheiros, pode tornar mais interessante deixar a implementação do acordo de paz e voltar para o crime organizado. “Por enquanto, o governo apenas garante cerca de 200 euros por mês por dois anos. Isso é 80% do salário mínimo”, disse. Em sua avaliação, se as medidas descritas nos acordos não forem implementadas, as Farc podem ter problemas internos e eventuais dissidências. “Podemos ter um cenário de fim da violência política que não é acompanhada pelo fim da violência social”, alertou.

 Deslocada pelo conflito, a artesã Gloria Patricia Arango Jiménez, de 45 anos, conta que há três anos, quando já havia fugido da guerrilha, foi vítima de um novo grupo criminoso que roubou tudo o que ela tinha. “Há paramilitares, grupos armados, o acordo não mudou muita coisa. Outros grupos se formaram e estão roubando e matando da mesma forma”, afirma a moradora de Villavicencio, cidade de ocupações ilegais formada por quem fugiu do conflito. 

A Procuradoria colombiana alertou que a lista de bens apresentada pelo grupo não contém todas as posses obtidas nos 50 anos do conflito. As Farc afirmam ter 963 bilhões de pesos (R$ 1 bilhão). O acordo prevê que se algum integrante da guerrilha omitir propositalmente valores deixa de ter o benefício de ser julgado na Justiça Especial para a Paz e terá o caso tratado pela Justiça comum. 

“Acho muito difícil pensar nesse momento que o secretariado das Farc está intencionalmente escondendo recursos. Eles estão comprometidos com o processo de paz, sabem que têm a opinião pública desfavorável e o tema da corrupção no país é muito sensível. Agora, que líderes das Farc tenham feito transações no exterior e possivelmente têm bens por fora da organização, isso sim parece muito possível, o negócio era algo muito rentável”, explica Sergio Guarín, diretor da Fundação Ideas para la Paz. 

O cientista político Frédéric Massé considera um erro político do novo partido das Farc deixar de declarar algo. “Se encontrarem dinheiro fora ou dentro do país não declarado será um golpe na imagem que eles estão tentando passar”. Guarín ressalta que o principal obstáculo é garantir que o dinheiro fruto dos anos de conflito das Farc não seja usado no financiamento de campanhas políticas do grupo, porque não há um mecanismo de controle disso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.