Fortuna do casal Kirchner aumentou 8 vezes desde 2003

Néstor e Cristina acumulam patrimônio de US$ 14,16 milhões desde que chegaram ao poder na Argentina

Ariel Palacios, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2010 | 00h00

Superando crises econômicas e a disparada da inflação, a presidente Cristina Kirchner e seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, fizeram fortuna desde que chegaram à Casa Rosada. Quando Néstor chegou ao poder, em 2003, o casal tinha uma fortuna avaliada em US$ 1,74 milhão. Desde então, o patrimônio dos Kirchners aumentou drasticamente.

No ano passado, segundo a declaração de bens do casal, divulgada esta semana, o patrimônio era de US$ 14,16 milhões - 8 vezes mais do que os bens declarados no primeiro ano.

A multiplicação do patrimônio teria sido resultado de compra, venda e aluguel de imóveis, além de investimentos em hotelaria na Patagônia e em aplicações financeiras em dólares em bancos argentinos. O salário de Cristina como presidente é de US$ 3,9 mil e a pensão de Néstor como ex-presidente é de US$ 7,6 mil.

A oposição destaca alguns pontos polêmicos da declaração, como o caso do terreno de 20 mil metros quadrados que os Kirchners compraram da prefeitura de El Calafate, na Província de Santa Cruz, na Patagônia.

Em 2006, os Kirchners adquiriram o terreno por US$ 34 mil. No entanto, três anos depois, em janeiro de 2009, o imóvel foi vendido por US$ 1,65 milhão.

As aplicações financeiras do casal também sugerem que os Kirchners conseguiram taxas de juros 20 vezes superiores à média de mercado. Nos últimos anos, três investigações foram abertas na Justiça argentina sobre o suposto enriquecimento ilícito dos Kirchners. Todas foram arquivadas.

Em 2003, o casal Kirchner tinha um patrimônio de 6,8 milhões de pesos, cerca de US$ 1,75 milhão pelo câmbio atual. Em 2008, um ano após a posse de Cristina, o patrimônio havia crescido para 46 milhões de pesos, ou US$ 11,75 milhões.

Em 2009, no meio do mandato de Cristina - que termina em 2011 -, o patrimônio dos Kirchners cresceu ainda mais, ignorando a crise econômica, e chegou a US$ 14 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.