Christian Buettner/Eikon Nord GmbH Germany/via REUTERS
Christian Buettner/Eikon Nord GmbH Germany/via REUTERS

Foto de bebê morto nos braços de socorrista ressalta drama vivido no Mediterrâneo

Corpo da criança foi retirado do mar na sexta-feira após o naufrágio de um barco de madeira. Apenas na última semana, pelo menos 700 imigrantes podem ter morrido no mar

O Estado de S. Paulo

30 Maio 2016 | 12h42

ROMA - A foto de um bebê morto nos braços de um socorrista alemão foi distribuída nesta segunda-feira, 30, por uma organização humanitária com o objetivo de pressionar autoridades europeias a garantirem passagem segura para os imigrantes diante do temor de que centenas deles tenham se afogado no Mar Mediterrâneo na semana passada.

O corpo do bebê, que não parece ter mais de 1 ano, foi retirado do mar na sexta-feira após o naufrágio de um barco de madeira. No domingo, 45 corpos chegaram ao porto de Reggio Calabria, no sul da Itália, a bordo de uma embarcação da Marinha italiana, que recolheu 135 sobreviventes do mesmo incidente.

A organização humanitária alemã Sea-Watch, que opera um barco de resgate no mar entre a Líbia e a Itália, distribuiu a imagem, feita por uma empresa de produção de mídia a bordo, que mostra um agente de resgate segurando o bebê.

Por e-mail, o socorrista fotografado com o bebê se identificou como Martin, mas não quis que seu sobrenome fosse publicado. Ele disse ter visto o bebê na água "como um boneco, com os braços esticados".

"Peguei o bebê pelo antebraço e puxei seu corpinho para os meus braços na mesma hora para protegê-lo. Os braços dele, com aqueles dedinhos, balançaram no ar, o sol bateu nos seus olhos, brilhantes, acolhedores, mas sem vida", disse.

Martin, que tem três filhos e que exerce a profissão de terapeuta musical, acrescentou: "Comecei a cantarolar para me confortar e para expressar de alguma maneira esse momento incompreensível, de cortar o coração. Apenas seis horas antes essa criança estava viva".

Assim como a foto do menino sírio Aylan, de 3 anos, deitado sem vida em uma praia turca em 2015, a imagem deu uma feição humana às mais de 8 mil pessoas que morreram no Mediterrâneo desde o início de 2014.

Pouco se sabe sobre a criança, que segundo a Sea-Watch foi entregue imediatamente à Marinha italiana. Os socorristas não puderam confirmar se o bebê parcialmente vestido era menino ou menina, e tampouco se sabe se seus pais estão entre os sobreviventes.

A Sea-Watch recolheu cerca de 25 corpos, incluindo outra criança, segundo testemunhas. A equipe da organização disse ter decidido de forma unânime a publicação da foto.

"Na sequência desses acontecimentos desastrosos, torna-se óbvio para as organizações envolvidas que os clamores dos políticos europeus para se evitar novas mortes no mar não são mais do que falatório", afirmou a Sea-Watch em um comunicado em inglês distribuído junto com a foto.  

Pelo menos 700 imigrantes podem ter morrido no mar na última semana, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) no domingo.

O barco que levava o bebê partiu de praias próximas de Sabratha, na Líbia, no final da quinta-feira. No domingo, começou a entrar água na embarcação, de acordo com relatos de sobreviventes à entidade Save The Children. Centenas estavam a bordo quando ocorreu o naufrágio. /Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.