Yasuyoshi Chiba via AFP
Yasuyoshi Chiba via AFP

Foto de poesia em meio a protesto no Sudão vence World Press Photo

Para júri da premiação, registro do fotógrafo Yasuyoshi Chiba simboliza esperança e poder da juventude

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2020 | 04h00

Uma foto de um jovem iluminado por luzes de celular enquanto declama uma poesia em meio a uma multidão de manifestantes no Sudão ganhou o prestigiado prêmio World Press Photo 2020 na quinta-feira, 16.

Para o júri da renomada premiação, o caráter poético da foto ilustra o poder da juventude e da arte, simbolizando a esperança. 

O autor da foto, Yasuyoshi Chiba, fotojornalista japonês de 48 anos baseado em Nairóbi, também conquistou com a imagem o prêmio principal na categoria "Notícias Gerais - Individual".

A foto vencedora foi tirada em 19 de junho, em Cartum. Um jovem com a boca aberta, em meio a uma multidão de habitantes da capital sudanesa que gritavam palavras de ordem, recita um "poema de protesto", assinalaram os membros do júri.

Vestindo uma camiza azul, o jovem é iluminado pela luz de dezenas de celulares. Em primeiro plano, aparece um rosto sorridente, de perfil.

"Foi o único grupo que se manifestava pacificamente que encontrei, e me comoveu a solidariedade imbatível de sua revolução", explicou Chiba à AFP. "A foto mostra que as pessoas continuavam guardando esta paixão dentro de si, e me senti parte disso. Vi como a forte vontade das pessoas estava ali, e que ela não poderia ser sufocada pela violência."

Após a destituição do ex-ditador Omar Al-Bashir pelo Exército, em abril de 2019, sob a pressão das ruas, as manifestações continuaram no Sudão, até que teve início uma frágil transição para o poder civil.

A imagem de Chiba "ilustra o poder da juventude, o poder da arte. Ilustra a esperança", disse Tanvi Mishra, membro do júri.

Outros vencedores

O prêmio de "História do ano" ficou com o fotojornalista da Etiópia Mulugeta Ayene, que registrou a área do acidente aéreo do voo 302 da Ethiopian Airlines. O fotógrafo berlinense Nikita Teryoshin venceu a categoria "Questões contemporâneas" com o registro de um empresário travando um par de lançadores de granadas ao final de um dia de exibição na Exposição e Conferência de Defesa Internacional em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. 

Esther Horvath, do jornal The New York Times, venceu a categoria de meio-ambiente com o registro de ursos polares na região do Ártico. Romain Laurendeau faturou o prêmio dedicado a projetos de longo prazo com uma foto de Algiers, na Argélia. Na categoria "Natureza", Alain Schroeder foi o grande vencedor, com uma foto que mostra um filhote de orangotango no campo cirúrgico de uma equipe de resgate em Sumatra, na Indonésia.

A categoria "Retrato" ficou com Tomek Kazcor, que registrou Ewa, uma menina armênia de 15 anos recém-acordada de um estado catatônico causado por uma síndrome. O vencedor da categoria "Esportes" foi Mark Blinch, com uma foto de um jogo de basquete entre Toronto Raptors e Philadelphia 76ers. O prêmio da categoria de "Notícias locais" ficou com Farouk Batiche, por uma foto que mostra estudantes brigando com a polícia durante uma manifestação antigovernamental em Argel, Argélia. /Com informações da AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.