AFP PHOTO / Johannes EISELE
AFP PHOTO / Johannes EISELE

Fotógrafo da 'AFP' morto no Afeganistão registrava conflito no país há 15 anos

Shah Marai, diretor de fotografia da sucursal afegã da 'France-Presse' e considerado um dos pilares da agência no país, está entre os jornalistas mortos em um duplo atentado suicida em Cabul nesta segunda-feira; ele deixa mulher e seis filhos

O Estado de S.Paulo

30 Abril 2018 | 10h48

CABUL - Shah Marai dizia ter visto tantos cadáveres desde que começou a trabalhar para a AFP que não dormia mais à noite. O diretor de fotografia da France-Presse no Afeganistão morreu nesta segunda-feira, 30, em um duplo atentado suicida em Cabul.

+ Duplo atentado suicída deixa ao menos 25 mortos em Cabul, incluindo 9 jornalistas

Sua vida e seu epílogo ilustram tristemente os tormentos de seu país. Com 48 anos, Shah Marai começou sua carreira na agência em 1996 como motorista. E foi porque escutava música ao volante que o Taleban, então no poder, o espancou certa vez. Dez anos depois, ainda tinha sequelas, antes de ser operado no exterior em 2012.

Shah Marai obteve sua vingança contra os "estudantes da religião" ao anunciar, em 7 de outubro de 2001 para a AFP, os primeiros bombardeios americanos no Afeganistão, poucas semanas depois dos ataques de 11 de setembro. O correspondente da AFP foi então preso pelos Taleban.

Ele relatou em um blog que tirou "seis fotos naquele dia, nenhuma a mais", em uma Cabul transformada em "cidade deserta".

Com o fim do reinado do Taleban, "tudo voltou a ser possível, até mesmo as coisas mais simples, como ir ao cabeleireiro para fazer a barba", contava Shah Marai, com o rosto sempre barbeado, que depois de começar a fotografar para a agência em 1998, tornou-se fotógrafo em tempo integral em 2002.

Atentado em centro de registro de eleitores em Cabul mata 57 e fere mais de 100; EI assume autoria

Era então a época de ouro do Afeganistão. A segurança era garantida em todo o país e a esperança renascia. Mas o Taleban, derrotados em combate, retomaram seus ataques em 2004. A princípio, os militares estrangeiros eram os principais alvos. Então, quando deixaram o país em 2014, foi a vez das forças de segurança afegãs. E, finalmente, os civis.

Em março de 2014, o jornalista Sardar Ahmad, outro pilar do escritório da AFP e um dos melhores amigos de Shah Marai, foi morto com sua esposa e dois de seus três filhos em um hotel muito seguro de Cabul. O Taleban reivindicou o ataque. Shah Marai sentiu fortemente o golpe, mas continuou seu trabalho.

"Eu aprendi fotografia sozinho, então estou sempre tentando melhorar. E agora minhas fotos são publicadas em todo o mundo", ressaltava. "Minhas melhores lembranças são quando venci a concorrência por ter a melhor foto do presidente ou de outra pessoa, ou do local de um ataque a bomba. Gosto de ser o primeiro", dizia sobre sua profissão.

Noites em branco

Em 2015, o grupo Estado Islâmico se instalou no Afeganistão, multiplicando os ataques. O clima de medo era latente. O ar se tornou irrespirável. As imagens poderosas de Marai contam a história da guerra, terror e sangue.

Seis pessoas morrem em ataque a hotel de luxo no Afeganistão

Em meados de 2016, em viagem a Paris, descreveu "as noites sem dormir", passadas em branco fumando. Seu pânico e suas dúvidas depois de testemunhar "tantos atentados e tantas vítimas". Seu desejo de deixar o país aumentava, como o de dezenas de milhares de outros afegãos antes dele.

Seu medo acima de tudo era de colocar sua família em perigo. Shah Marai deixa seis filhos. A mais nova nasceu há duas semanas. O escritório da AFP tinha acabado de celebrar o evento há poucos dias, desafiando o clima tenso em Cabul, onde outro ataque havia deixado 60 mortos naquela manhã.

Shah Marai, de grandes olhos azuis claros, piada sempre pronta e seu autoproclamado título de "campeão de pingue-pongue do escritório de Cabul", morreu nesta segunda-feira em um atentado suicida na capital.

Depois que um primeiro homem-bomba em uma motocicleta explodiu sua carga diante da sede do NDS - o serviço de inteligência do Afeganistão - um segundo homem-bomba, "equipado com uma câmera", se explodiu entre os repórteres, segundo as forças de segurança.

O ataque, que deixou pelo menos 25 mortos e 49 feridos, foi reivindicado pelo EI, que criticou os "apóstatas das forças de segurança e da mídia".

"Ele morreu fazendo seu trabalho, como fazia há duas décadas", homenageou o correspondente do New York Times em Cabul, Mujib Mashal. 

"Estamos devastados pela morte de nosso fotógrafo Shah Marai, que testemunhava há mais de 15 anos a tragédia que atinge o país", declarou Michèle Léridon, diretora de Informação da AFP. "A direção da AFP saúda a coragem, profissionalismo e generosidade deste jornalista que cobriu dezenas de atentados antes de ser vítima da barbárie." / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.