Fox pede aos EUA mais confiança no México

O presidente mexicano, Vicente Fox, discursou nesta quinta-feira ante o Congresso americano - no segundo dia de sua visita oficial aos EUA - e pediu mais confiança na relação entre os dois países para a solução de problemas bilaterais como os que dizem respeito à imigração e ao narcotráfico. Pediu especificamente a suspensão do México do programa de "certificação" anual, promovido por Washington, dos países que colaboram com os EUA no combate ao tráfico de drogas e um acordo para regularizar a situação dos mais de 3 milhões de mexicanos que vivem ilegalmente nos EUA. "Estamos cientes de que não há respostas fáceis nem soluções mágicas para os desafios que enfrentam México e EUA", disse Fox aos congressistas americanos."Mas existe um caminho para que possamos avançar com passos firmes na direção da solução de nossos problemas, e esse caminho é o da confiança mútua", acrescentou o líder mexicano, durante o discurso interrompido várias vezes por aplausos. Depois do discurso no Congresso, Fox voltou a encontrar-se com o presidente americano, George W. Bush - com quem se reunira na véspera, na Casa Branca -, para uma visita que ambos fizeram à Universidade de Toledo, em Ohio.Dirigindo-se a estudantes e aos membros da comunidade mexicana local que compareceram ao auditório da universidade, Fox convidou os imigrantes que alcançaram êxito nos EUA a retornar ao México e ajudar na tarefa de "construir um futuro melhor"."No México, não esquecemos os compatriotas que emigraram para o norte e temos aprendido muito com sua determinação e seu valor", declarou. A pregação de Fox em favor dos ilegais mexicanos nos EUA tem encontrado eco nas declarações de Bush, que prometeu em Toledo "empenhar-se 100%" para que se alcance um acordo sobre imigração "o mais breve possível"."Espero que o Congresso aprove um projeto sobre trabalhadores temporários, que inclua algum tipo de regularização (dos ilegais)", disse Bush. "E quero considerar alguma maneira para que um trabalhador temporário possa receber uma permissão de trabalho (green card)", acrescentou Bush. Na quarta-feira, Fox pediu a Bush a assinatura de um acordo sobre imigração até o fim do ano, para que ele pudesse sem implementado ao longo dos mandatos dos dois líderes.Segundo Fox, o acordo deve incluir mecanismos para frear a violência contra os ilegais e a ação dos "coiotes" - agenciadores que promovem a entrada de imigrantes irregulares ao longo da fronteira comum de 3.200 quilômetros entre os dois países."Temos de alcançar um acordo que reconheça a importância da contribuição que os imigrantes mexicanos deram à nossa economia, que garanta o tratamento respeitoso dos ilegais e estabeleça a responsabilidade compartida da fiscalização na fronteira", afirmou Bush. Bush também defendeu a reivindicação de Fox de retirar o México do processo anual de "certificação", do qual os mexicanos estão entre os maiores críticos. "O Congresso deve mudar o procedimento no caso do México para evitar o envio de sinais incorretos", asseverou. A comunidade mexicana é ampla maioria na crescente população hispânica dos EUA e seu voto pode ser decisivo para definir as eleições presidenciais de 2004 - nas quais Bush pode apresentar-se à reeleição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.