Fracassa cessar-fogo entre rebeldes e regime de Assad

Segundo a oposição, apesar de a violência ter diminuído, 47 pessoas morreram em combates durante feriado islâmico

DAMASCO, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2012 | 03h11

O cessar-fogo de quatro dias prometido pelo governo sírio e pelos rebeldes que tentam derrubar o ditador Bashar Assad acabou ontem poucas horas depois de entrar em vigor. Ao longo do dia, 47 pessoas morreram, segundo a oposição. Houve combates em torno de uma base militar em Damasco e um ataque com carro-bomba na capital.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), que monitora o conflito no país, 16 vítimas eram civis. Outras 19 eram soldados leais a Assad e 12, combatentes rebeldes. Apesar das mortes, o nível de violência no país caiu em relação aos últimos dias.

Confrontos violentos irromperam no entorno de uma base militar. Foi a primeira violação à trégua estabelecida durante o feriado islâmico do Eid al-Adha. O OSDH disse que combatentes rebeldes tentaram invadir a base, que fica a menos de um quilômetro da principal rodovia que liga Damasco a Alepo, quando forças de Assad começaram a disparar fogo de artilharia sobre um vilarejo próximo.

Em Damasco, a explosão de um carro-bomba atingiu o centro da cidade. Cinco pessoas morreram e 32 ficaram feridas. O veículo explodiu perto de uma comemoração do feriado religioso. O regime responsabilizou terroristas - designação dada aos rebeldes - pelo ataque.

Na fronteira com a Turquia, civis relataram que os confrontos continuaram durante o feriado. "Aqui não há o que comemorar", disse um morador, que pediu anonimato por razões de segurança.

A proposta de trégua foi feita pelo novo mediador da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Lakhdar Brahimi, que tenta frear o conflito. O cessar-fogo não será monitorado por observadores independentes, uma vez que a missão da ONU na Síria foi encerrada por falta de segurança. / AFP E REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.