Fracassa negociação para formar governo na Grécia

O partido conservador Nova Democracia, vencedor das eleições legislativas de domingo na Grécia, anunciou ontem não ter conseguido maioria para formar o governo. Em meio ao descontentamento do eleitorado com os partidos tradicionais em razão das medidas de austeridade impostas pela União Europeia, a legenda obteve 18,3% dos votos.

ATENAS , O Estado de S.Paulo

08 Maio 2012 | 03h05

"Fizemos tudo o que podíamos para formar um governo, mas os outros partidos não aceitaram", disse o líder do Nova Democracia, Antonis Samaras. "Fomos os primeiros a avisar sobre as consequências do programa (de austeridade) e os riscos de ingovernabilidade."

A Nova Democracia, que hoje governa o país em coalizão com os social-democratas do Pasok, tentou, em vão, formar uma coalizão com os moderados da Esquerda Democrática, sétima colocada na eleição.

Partidos mais radicais de esquerda, como o comunista e o Syriza - segundo na votação de domingo -, também rejeitaram apoiar os conservadores.

A Nova Democracia e o Pasok são os principais patrocinadores dos cortes nas contas públicas. Segundo analistas, o resultado da eleição serviu de "punição" para ambos os partidos.

Neonazistas. O partido neonazista Aurora Dourada, que, com o sexto lugar de domingo, entrou no Parlamento pela primeira vez, também rejeitou negociar com o Nova Democracia. Ontem, jornalistas se revoltaram com imagens de skinheads que atuam como seguranças para o Aurora Dourada e exigiram, no domingo, que repórteres presentes numa entrevista coletiva se levantassem para receber o líder do partido, Nikos Michaloliakos. A legenda, que defende a expulsão de imigrantes da Grécia e tem como símbolo uma suástica adaptada, terá 21 deputados no Parlamento. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.