Reuters
Reuters

Fracassa tentativa de trazer à superfície fuselagem de avião da AirAsia

Essa parte da aeronave chegou a se aproximar da superfície, mas voltou a afundar quando alguns balões de ar utilizados na operação se esvaziaram

O Estado de S. Paulo

24 de janeiro de 2015 | 19h17

Equipes de resgate da Indonésia fracassaram em sua primeira tentativa de trazer à superfície a fuselagem do Airbus da AirAsia que caiu no Mar de Java, no dia 28. Essa parte da aeronave chegou a se aproximar da superfície, mas voltou a afundar quando alguns balões de ar utilizados na operação se esvaziaram. "Agora, precisamos de mais balões", disse Suryadi Bambang Supriyadi, chefe de operações da Agência Nacional de Busca e Resgate.

Mergulhadores chegaram à fuselagem pela primeira vez na sexta-feira e recuperaram seis corpos. Até agora, foram recuperados 69 corpos de vítimas do voo 8501 da AirAsia, que decolou de Surabaia com destino a Cingapura, com 162 pessoas a bordo.

Autoridades acreditam que vários corpos ainda estejam no interior da fuselagem. De acordo com Supriyadi, a cabine do piloto está a cerca de 500 metros dali, em uma profundidade de 30 metros, e os corpos do piloto e do copiloto podem estar lá.

A queda do avião pode ter sido causada pelo mau tempo. Pouco antes de a aeronave desaparecer dos radares, os pilotos pediram autorização para mudar a altitude e evitar nuvens densas, mas a permissão não foi concedida devido ao tráfego aéreo intenso.

Investigadores e técnicos da Airbus estão analisando a caixa-preta do avião, que contém as gravações de voz e de dados sobre o voo.

Tatang Kurniadi, chefe da Comissão Nacional de Segurança de Transporte, descartou a hipótese de sabotagem e disse que um relatório preliminar sobre o acidente deve ser submetido à Organização Internacional de Aviação Civil (ICAO, na sigla em inglês) na semana que vem. / ASSOCIATED PRESS

Tudo o que sabemos sobre:
IndonésiaAirAsiaresgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.