França acusa Síria de usar gás químico 14 vezes

O chanceler da França, Laurent Fabius, acusou ontem o governo da Síria de ter usado gás cloro em 14 ataques nos últimos meses. Fabius expressou preocupação de que o presidente sírio, Bashar Assad, esteja escondendo suas armas químicas.

WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2014 | 02h02

"Temos pelo menos 14 indicações que nos mostram que, novamente, nas últimas semanas, armas químicas de menor escala têm sido utilizadas, em particular gás cloro", disse Fabius. "Neste momento, estamos analisando as amostras que foram coletadas."

O chanceler francês fez os comentários durante uma visita a Washington, onde discutiu a crise na Síria e na Ucrânia com o secretário de Estado americano, John Kerry. Fabius disse que o governo de Assad havia entregado 92% de seu estoque de armas químicas após um acordo internacional supervisionado pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq).

No entanto, a França acredita que o governo de Assad esteja escondendo parte dos estoques e os relatórios que envolvem ataques com gás cloro indicam que Damasco ainda tinha a capacidade de produzir armas químicas.

"O que isso mostra é que o regime de Bashar Assad, apesar do seu compromisso, continua sendo capaz de produzir armas químicas e de usá-las", afirmou o chanceler.

Fabius destacou os esforços da França na ONU para levar casos envolvendo Assad e pessoas próximas ao líder sírio ao Tribunal Penal Internacional, de Haia, para a possível acusação por crimes de guerra e crimes contra a humanidade. O Conselho de Segurança se reunirá hoje para discutir o projeto, que pode ser votado nos próximos dias - com poder de veto, a Rússia permanece sendo o maior obstáculo à medida. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.