França admite 11.435 mortes vinculadas à onda de calor

Na mais alarmante das cifras admitidas até agora, funcionários franceses da Saúde disseram nesta sexta-feira que o número de falecimentos na primeira quinzena de agosto deste ano se elevou em 11.435 pessoas acima da média de mortos durante o mesmo período em anos anteriores - o que vincula a cifra diretamente à sufocante onda de calor registrada no país neste verão. O número supera em muito as estimativas iniciais do governo francês e, comparativamente, excede em 4.200 o de vítimas fatais em acidentes rodoviários na França durante todo o ano de 2002. ?Essas cifras foram obtidas de modo extremamente preciso?, disse Gilles Brucker, diretor do Instituto de Superintendência da Saúde após forneder os números. ?O total de hoje corresponde a uma cifra altamente precisa das mortes ligadas ao calor no período entre 1º e 15 de agosto?, acrescentou. Tal cifra deixou o flanco do governo de centro-direita aberto para novas acusações pela demora de sua reação diante da crise. ?É inaceitável que na nossa era tantos idosos tenham sucumbido em tais condições (deploráveis) em meio ao calor?, declarou o legislador comunista Alain Bocquet.E o vice-prefeito de Paris, Yves Contassot, pediu a renúncia do ministro francês da Saúde, Jean-François Mattei, renovando pedidos nesse sentido feitos na semana passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.